12 Lendas urbanas de antigamente

|
zona 33
Quem se lembra do dia-a-dia nas décadas de 80/90 sabe muito bem o peso que algumas lendas urbanas causavam na cabeça da garotada. Hoje em dia, com o acesso à informação ao alcance dos dedos, boa parte dessas lendas urbanas podem até parecer bobagem, mas garanto que na época muita gente se cagava de medo. Se a mãe falava, devia ser verídico, não é mesmo?
Então, ladies and gentlemen, fiquem com mais um artigo sobre lendas urbanas!


12.

A Loira do banheiro

Essa sem sombra de dúvidas é a lenda mais conhecida dessa lista, existem diversas variações dessa lenda (em Minas Gerais, São Paulo, Alagoas, Bahia e Espírito Santo... em cada lugar é uma história diferente), mas no final, a base é quase sempre a mesma. Uma aluna (algumas vezes uma professora) loira e muito bonita que aparece nos banheiros dos colégios assustando os estudantes que matam aula. Uma constate em todas as versões é o algodão, a tal loira está sempre com algodões no nariz, ou com ele saindo de suas feridas, olhos e ouvidos. Algumas versões a retratam como um professora que foi assassinada por alunos revoltados, que não satisfeitos, a torturaram fazendo cortes profundos em sua pele e enfiando algodão nas feridas. Em outras versões, ela é uma aluna que morreu no banheiro da escola enquanto matava aula (às vezes devido a um escorregão que fez com que sua cabeça batesse na privada, outras vezes ela morria sufocada com um mau cheiro que saía do ralo... o que a falta de um desinfetante não faz!).
Após sua morte, seu espírito passou a ficar vagando pelos banheiros das escolas, assustando os alunos que matam aula, assim como ela fazia. Nesse caso o algodão é referente aos tufos que os médicos enfiam no nariz, boca e ouvidos dos mortos por conta das secreções post mortem. Há ainda quem diga que pode-se invocar a Loira do Banheiro dando descarga três vezes, depois chutando o vaso uma vez e por fim virando-se rapidamente para o espelho.

Para apimentar ainda mais as coisas, partindo do pressuposto de que toda história tem seu fundo de verdade, investigamos e descobrimos a história real que deu origem à lenda. Conta-se que tudo começou em Guaratinguetá, na Escola Estadual Conselheiro Rodrigues Alves. Se você quiser saber mais sobre, clique aqui e confira a matéria contando a história.



11.

O Homem do saco

Créditos: Behance
Infelizmente, com a alta taxa de desemprego e a desigualdade social, — entre outros fatores — mendigos e sem-tetos permeiam as cidades brasileiras. À partir deste fato, a lenda do homem do saco era usada pelas mães para assustar as crianças que insistiam em desobedecer e saiam para brincar sozinhas na rua. De acordo a lenda, um velho malvestido e com um enorme saco de pano nas costas, anda pela cidade levando embora as crianças que fazem “arte”.

Em algumas versões, o velho é retratado realmente como um mendigo, outras ainda o apresentam como um cigano; creio que isso dependa da região do país onde ela é contada. Há ainda versões mais macabras em que o velho leva a criança para sua casa e lá faz sabonetes e botões com a gordura e ossos da criança, respectivamente.

Aproveitando-se do fato de que mendigos circulam por todas as cidades praticamente, ficava fácil para as mães botar medo na criançada. Uma coisa é fato, como pai, eu sei o risco real de uma criança ser sequestrada ou abusada por alguém mal-intencionado; então, quem sabe essa lenda não seja um pouco verídica? Todo cuidado é pouco.



10.

A Kombi dos palhaços

Créditos:Megacurioso
Essa é uma das que mais assustava as crianças, deixando umas traumatizadas até hoje (conheço muita gente com coulrofobia). A lenda conta sobre uma Kombi que geralmente parava em locais onde houvesse grande trânsito de crianças, para distribuir doces, salgadinhos e fazer brincadeiras. Porém, o objetivo dos palhaços era atrair essas crianças e sequestrá-las, para fins que variam conforme a versão: pedir resgate, roubar órgãos para o mercado negro, levar as crianças para adoção estrangeira ou injetar drogas ilícitas que viciassem o jovem. Alguns diziam que os palhaços eram, às vezes, acompanhados por uma bailarina que atraía as meninas, que também seriam vítimas de abusos sexuais. Também se escutava que os palhaços ou a bailarina usava um filhote de cachorro para ter a atenção de crianças que não eram muito chegadas a doces.
Uma outra lenda, parecida e geralmente contada junto à dos palhaços da Kombi, eram de palhaços (ou homens vestidos normalmente) que vendiam chicletes que vinham com uma tatuagem falsa para as crianças brincarem. A tatuagem, porém, continha uma substância que penetrava a pele das crianças, tornando-as viciadas em drogas — essa dá pano pra manga no item #6. Essas lendas circularam muito durante essa época. Diversas crianças ficaram aterrorizadas com essas histórias, muitas pararam de sair às ruas e diversas outras passaram a odiar palhaços. Até hoje, não há nenhum registro real de que essa “máfia de palhaços” realmente tenha existido, ou se é mais uma lenda para tentar fazer as crianças ficarem mais controláveis, ou impedir que falem com estranhos.



09.

Ladrões de órgaos

Créditos:Sanguine-raptor
Muito embora o grosso das histórias relacionadas à essa lenda seja sobre uma ladra de rins, na verdade foram muitas as versões e o ponto em comum entre elas era a de uma bela mulher que enganava suas vítimas, seja elas crianças ou adolescentes sedentos por sexo. A vítima acordava numa banheira cheia de gelo, com uma cicatriz enorme devido ao roubo dos seus rins. Na versão das crianças, elas apareciam dias depois na porta de suas casas com uma enorme cicatriz nas costas. A história ficou bastante conhecida e até ganhou um apelo totalmente negativo para o Brasil no filme estadunidense “Turistas”.



08.

Pipoqueiro cheirado

Eu ainda me pergunto quem e porque alguém inventou essa lenda, mas uma coisa é certa: fez por maldade. Pobre dos pipoqueiros que sofreram por causa dessa história mal contada. No final da década de 80, boatos começaram a rodar pelo Brasil, dizendo que os pipoqueiros estariam usando cocaína nas pipocas. Artimanha de traficantes ávidos por nova clientela, eles salpicavam a pipoca vendida nas portas das escolas com cocaína, em vez do tradicional sal. A ingestão da substância ilegal faria com que a criança, enroscada na armadilha do vício, voltasse a comprar pipoca sempre do mesmo vendedor... E cada vez mais! A dúvida é: qual o lucro do pipoqueiro nessa história toda? Vendia a pipoca barato e comprava a cocaína custando os olhos da cara?



07.

Seringas com AIDS

Créditos:Sinn3r
Se você já recebeu aquelas correntes por e-mail (na época em que o e-mail era usado para esses fins), então deve conhecer essa história. Um exemplo de corrente por e-mail é a lenda de que seringas foram espalhadas em cinemas de várias capitais do Brasil. As pessoas, sem perceber a presença do objeto, sentavam sobre ele e então descobriam que haviam acabado de serem infectadas pelo vírus da AIDS. Ou então, uma pessoa se revolta por contrair o vírus e sai por aí com uma seringa atacando pessoas e injetando nelas o seu próprio sangue. Essa leva o selo de lenda urbana clássica.



06.

Tatuagens de LSD

Créditos:Andrew Sato
Quem nunca comprou na cantina da escola aquelas balas que vinham uma tatuagem fake para colar na pele e saiu se achando o mafiosão? Como citei anteriormente, de acordo com essa lenda, conta-se que houve uma apreensão nos EUA, em 1980, de 4 mil cartelas de ácido lisérgico com a cara do Mickey Mouse estampada. A história conta que traficantes vendiam transfers com desenhos infantis nas portas das escolas – mas as figuras viriam, digamos, “batizadas”. Assim, as crianças se tornariam viciadas e passariam a comprar mais tatuagens. Lembra a história do pipoqueiro? Pois é, o negócio é mais ou menos na mesma linha, e na época a criançada ficou apavorada com isso.... Lucy in the Sky with Diamonds.



05.

Hambúrguer de minhoca do Mc Donald's

Segundo a lenda, o Big Mac, grande sucesso de vendas do Mc Donalds, seria recheado com carne de minhoca. Ainda segundo essa lenda, o governo americano em acordo com a rede de fast food, incentivou a alimentação por carne de minhoca. Como se sabe, este tipo de carne é muito mais nutritiva e saudável do que a bovina. Lógico que nenhum americano temente a Deus experimentaria uma iguaria composta de carne de minhoca. Mas o que os olhos não veem o estômago não sente. Isso tudo começou ainda no início da década de 70. O boato foi divulgado em uma grande rede de televisão americana e acarretou prejuízos imediatos à maior rede de fast food do mundo. O impacto sobre a marca foi tão grande que o Mc Donald’s sofreu na época uma redução de 30% em suas vendas.

Claro que o Mc Donald's se defende, alegando que tudo não passa de invenção das mentes maldosas. E você, alguma vez na vida já ouviu essa história quando pensou em comprar uma Mc Oferta?



04.

Masturbação deixa a mão peluda

Esse mito é um dos mais antigos e até hoje tem gente que acredita — sim, existe. Segundo a lenda, masturbar faria crescer pelos e calos nas mãos (bom, dependendo da frequencia, os calos não garanto que seja lenda). Existem ainda uma dezena de outros mitos relacionados a ela. Provavelmente foram inventados por pais preocupados com os filhos, porque antigamente (e ainda hoje) é considerado pecado a masturbação para algumas igrejas. Antes eles diziam que masturbar causava retardo mental, criava espinhas e deixava a pessoa estéril. Hoje já foram feitos estudos que comprovam que tudo isso não passava de invenções.

Então, pode ficar tranquilo e abrir novamente sua aba do xvideos e companhia. Sua mão não ficará peluda. A não ser que ela já seja peluda, aí é outro caso.



03.

Boneco do Fofão com punhal dentro

Reprodução:Ahduvido
Se você conhece o Fofão apenas pela Carreta Furacão, não deve saber, mas ele foi um personagem muito famoso aqui no Brasil nos anos 80. Originalmente, este personagem ganhou fama através do programa Balão Mágico, programa este televisionado pela Rede Globo e esteve no ar de 1983 à 1986. Mas devido ao sucesso do personagem, acabou ganhando um programa de TV somente dele, na Rede Bandeirantes e ficou no ar de 1986 até o ano de 1989.

O Fofão, era um sucesso só, tanto que ganhou uma linha de biscoitos (o clássico Lanche do Fofão - que era um wafer tamanho gigante, que as mães adoravam botar em nossas lancheiras), bombons (o Bombom do Fofão era a coisa mais murcha de que se tem notícia) e bonecos. Porém, o boneco, desde o seu lançamento, é acompanhado de uma lenda macabra. Reza a lenda, que todos os bonecos tinham, abaixo do pescoço, uma espécie de punhal. E pra completar, a população insuflava a lenda, alegando que haviam mesmo encontrado o tal punhal. Algumas pessoas, além do objeto pontiagudo, afirmaram encontrar também um saquinho com um pó vermelho amarrado ao suposto punhal. Essa me lembrou até a lenda do crucifixo invertido na CG titan, citada anteriormente no item #1 de 16 Lendas urbanas.

Mas a tal "lenda macabra" é, muito mais escrota que a assombrosa semelhança do Fofão com o boneco Chucky do filme de terror homônimo. Reza a lenda que o ator (Orival Pessini) que atuava como o Fofão, teria feito um pacto com o diabo para que ele conseguisse fama e dinheiro, em troca, ele "levaria" o satanás para dentro de todas as casas dos que comprassem os bonecos. Outra teoria diz que os fabricantes é que seriam os capangas do capiroto e que tinham o mesmo intuito, de levar o mal para dentro das casas das pessoas. Ainda segundo a lenda, o boneco deveria ser destruído imediatamente, de preferência com fogo.

Alguns também dizem que o programa do Fofão continha mensagens subliminares para induzir as crianças a cometerem crimes. Outros dizem que os boatos foram espalhados por uma emissora rival, com o intuito de acabar com a imagem do bochechudo.

Pura bobagem? Pode ser! Só sei que eu passava longe do boneco do fofão que meu primo tinha... aquilo me dava arrepios.



02.

Boneca da xuxa possuída

Reprodução:Netflix
Essa história possui várias versões, alguns dizem que a boneca da Xuxa era amaldiçoada e que à noite ela ganhava vida e matava as criancinhas (há também quem diga que ao invés de matar as crianças, a boneca fazia com que elas matassem seus pais). Entretanto, existe um caso famoso envolvendo essa boneca e é sobre ele que vou contar.

Em Sorocaba - SP, conta-se que um exemplar dessa boneca teria sido possuída pelo diabo; com unhas e seios crescidos, estaria acorrentada no museu sacro da Catedral Metropolitana de Nossa Senhora da Ponte. O brinquedo teria atacado e ferido uma criança, enquanto dormia, na periferia de Sorocaba. A notícia se alastrou de forma rápida e uma multidão foi à igreja em 9 de novembro de 1989 para encontrar a tal autora da agressão. O monsenhor Mauro Vallini, então pároco da matriz, precisou fechar as portas do local para minimizar o tumulto e procurou a imprensa e a polícia para evitar que as pessoas invadissem o local. Esse fato ocorreu há mais de 2 décadas e ainda é lembrado como uma das mais famosas lendas do município.

A história conta que uma mãe sem dinheiro e cansada de ouvir a filha pedir de presente a boneca da Xuxa teria dito que conseguiria adquirir o brinquedo somente com a ajuda do diabo.
Inexplicavelmente, no dia seguinte, a mãe teria conseguido o dinheiro e comprado o sonho de consumo da filha. A criança dormiu com o brinquedo, acordou toda arranhada e as unhas de plástico da boneca teriam ficado manchadas de sangue.

Corre uma outra versão ainda mais assustadora. Nesse caso, a boneca teria de fato matado a criança com as unhas. A sequência de fatos terminou quando a mãe resolveu levar a autora do suposto crime à Catedral. O objetivo era exorcizar o brinquedo.

Na época do ocorrido, o caso foi noticiado com destaque pelos jornais Cruzeiro do Sul, Diário de Sorocaba e O Estado de S. Paulo. O assunto mexeu com os moradores da cidade, principalmente com quem possuía a boneca. E você aí pensando que era só mais uma lenda bobinha, não é?

E a lenda da boneca possuída, los leva ao item #1 da nossa lista...



01.

Xuxa tem pacto com o capiroto

Para o público de Portugal e outros países que talvez não conheçam; Maria da Graça "Xuxa" Meneghel é uma apresentadora de televisão, cantora pop infantil, atriz, modelo e empresária brasileira. Ela é bem conhecida por aqui pela alcunha de "rainha dos baixinhos" por apresentar material direcionado ao público infantil, principalmente(tirando Amor, estranho amor... hehe).

Xuxa começou sua escalada para a fama nos anos 80 e não faltaram teorias conspiratórias para explicar sua ascensão meteórica até o estrelato. A mais celebre dizia que Xuxa teria feito um pacto com o demônio e, por isso, colocava mensagens satânicas subliminares em suas musicas. Um de seus maiores sucessos, “Doce Mel”, diz no refrão: “doce, doce a vida e um doce”. Se o disco for tocado no sentido anti-horário, garantem os conspirólogos, da para ouvir “sangue, sangue, sangue”. Testemunhas da época juravam de pés juntos que viram Xuxa num centro de macumba em Niterói (RJ), onde ela fazia seus pactos com o diabo. O que não faltam são testemunhas afirmando por aí que a xuxa tem parte com o trevoso. Não só isso: diziam que a boneca da Xuxa ganhava vida a noite e matava crianças incautas, como dito no item anterior de nossa lista.

Uma das historias mais bizarras era a de que uma menina havia ganhado uma dessas bonecas e a mãe só permitiu que ela abrisse o presente no dia seguinte, data do seu aniversario. Mas, quando o dia amanheceu, a mãe encontrou sua filha morta na cama, com a boneca no colo e uma faca ao lado. Essa historia de arrepiar se passou com a boneca menor. Já a maior sufocava as crianças com suas longas pernas. Há quem afirme que Xuxa vem de “oXUm” e “oXAlá”. É por isso que a apresentadora costuma se referir a Deus como “o cara lá de cima”…


Zona 33


Fonte(s): Ahduvido, Jornal Cruzeiro, Leocrash, O Calafrio.