As imagens de Stonehenge que não querem que você veja

|
Stonehenge, um antigo monumento que atrai milhões de turistas por ano possui muitos segredos. Um dos menos conhecidos é que as pedras que vemos hoje, na verdade, remontam a menos de 50 anos, como resultado de inúmeras restaurações realizadas há mais de 100 anos.


De acordo com o que sabemos há algum tempo, o incrível complexo de pedra em Wiltshire, Inglaterra, de acordo com arqueólogos e estudos, foi construído em algum momento entre 3000 a.C e 2000 a.C. A datação de radiocarbono em 2008 sugeriu que as primeiras pedras foram levantadas entre 2400 e 2200 a.C, enquanto outra teoria sugere que os blocos de rocha podem ter sido erguidos no local em 3000 a.C.

Conforme relata um novo estudo de arqueólogos e geólogos da University College de Londres (UCL), as pedras de Stonehenge se originaram nas colinas de Preseli, Pembrokeshire, a 225 quilômetros de um dos mais enigmáticos monumentos antigos do Planeta: Stonehenge.

Mesmo que os pesquisadores acreditassem que as pedras são originárias das Montanhas Preseli desde 1920, nunca conheceram a localização exata de onde as pedras foram extraídas. Adicionando ao mistério de como a humanidade antiga conseguiu transportar os pedregulhos, os pesquisadores estão questionando a era exata da construção do monumento. As pessoas antigas extraíram as pedras em algum momento entre 3400 a.C e 3200 a.C, enquanto o monumento foi construído, de acordo com estudiosos convencionais em torno de 2900 a.C, isso significa que o monumento antigo poderia ser de fato 500 anos mais velho do que se pensava anteriormente.

Mas, embora esses detalhes tenham aparecido nos últimos anos, muitas pessoas não sabem que Stonehenge, como o vemos hoje, foi DE FATO reconstruído, várias vezes, e dezenas de imagens provam que as pedras que vemos hoje, na verdade, remontam a menos de 50 anos.

Conforme observado intrincadamente pelo indymedia.org.uk, de 1901 a 1964, a maior parte do círculo de pedra foi restaurado em uma série de reformas que o deixou, nas palavras de um arqueólogo, como "um produto herdado da indústria do século 20".

A diferença entre Stonehenge de 1835 e o que vemos atualmente.

Infelizmente, a verdade é que o monumento que vemos hoje foi reconstruído em 1901, quando o processo de restauração causou grande indignação, mas raramente é referido nos guias oficiais.

William Gowland supervisionou a primeira grande restauração do monumento que envolveu o alinhamento e a configuração concreta da pedra sarsen número 56 que corria o risco de cair. Ao endireitar a pedra, ele a moveu a cerca de meio metro de sua posição original.

Durante a restauração de 1920 William Hawley, que havia escavado perto de Old Sarum, escavou a base de seis pedras e a vala externa. Richard Atkinson, Stuart Piggott e John F. S. Stone reescavaram grande parte do trabalho de Hawley nas décadas de 1940 e 1950 e descobriram os machados e punhais esculpidos nas pedras Sarsen.

Em 1958, as pedras foram restauradas novamente quando três das sarsens permanentes foram reerguidas e colocadas em bases de concreto. A última restauração foi realizada em 1963, depois que a pedra 23 do círculo Sarsen caiu.

O arquivista arqueológico da Universidade de Cambridge e o principal autor de Stonehenge, Christopher Chippindale, admitiu: "Pouco do que vemos em Stonehenge não foi tocado de alguma forma". E o estudante de pesquisa histórica Brian Edwards, que recentemente revelou que o monumento vizinho de Avebury tinha sido totalmente reconstruído, encontrou imagens raras de Stonehenge sendo restaurado. Ele disse: "Foi como se Stonehenge tivesse sido historicamente limpo". "Por muito tempo as pessoas foram mantidas no escuro sobre o trabalho de restauração em Stonehenge. Estou impressionado com o quão poucas pessoas sabem sobre isso. É maravilhoso que o livro guia irá contar a história completa no futuro."



Fonte(s)  Ancient Code
Capa  Imagem via The Phora