Relato sobrenatural: Minha vó possuída

Você acredita em feitiçaria e no poder do oculto? A autora desta história, que deseja manter sua identidade anônima, certamente sim. N.L. teve um relacionamento próximo de seus avós até que o seu avô morreu e sua avó mudou drasticamente. Era como se algo assumisse sua personalidade. Talvez o segredo obscuro que estava prestes a ser descoberto naquela casa fosse a causa. Esta é a história de N.L. ...


PENSO QUE ALGO MALIGNO está acontecendo. Como eu gostaria de permanecer anônima, só vou dizer que o que estou prestes a dizer está ocorrendo em uma pequena cidade, não muito conhecida, no sudoeste da Pensilvânia (EUA).

Isso começou com uma morte.

Quando eu tinha 14 anos, meu avô morreu de câncer em uma das salas da casa de meus avós. Por vários anos depois disso, nós sentíamos um forte aroma de rosas e loção para bebês. Veja bem, eu costumava esfregar os pés de meu avô com loção para bebês quando ele estava morrendo. E não era apenas minha imaginação. Outras pessoas, incluindo o novo namorado da minha avó, que não fazia ideia da história nem que alguém havia morrido naquela sala, sentia o cheiro desses aromas também.
Em minha mente, isso era algo paranormal, mas também muito bem-vindo; não sentia nada negativo sobre isso. Haviam mesmo casos em que a campainha tocava aleatoriamente quando falávamos sobre o meu avô e ninguém estava na porta.
Tenha em mente que o quintal é todo fechado com uma cerca de ferro preta de 1,8 metro de altura, de modo que uma brincadeira de "tocar a campainha e sair correndo" realizada por crianças do bairro não era o caso. Já o espírito de meu avô era o caso, eu tinha certeza.

Nos últimos dois anos, no entanto, as coisas começaram a dar errado. Minha avó teve uma drástica mudança de personalidade.
Ela costumava ser uma pessoa gentil que tendia a ser bastante positiva, e agora ela odeia o mundo, nunca sorri, é cruel com a maioria das pessoas e detesta a menção do nome do meu avô.

A razão para eu escrever isso agora é porque duas semanas atrás, entramos em uma luta acalorada onde ela mencionou o nome do meu avô e declarou que estava feliz por ele ter morrido. Nem preciso dizer que me mudei de casa, (estava vivendo com ela) voltei para a casa de meus pais. Eu já sinto um véu de hostilidade removido da minha vida.
Mas esta história é sobre o que conduziu a essa luta há duas semanas, que me deixou com medo e cheia de ansiedade.

Minha avó começou a comprar itens de feitiçaria e meditação. Sempre pensei em meditação como algo positivo, mas estou começando a me perguntar até onde ela levou isso. Eu sei por minha mãe que minha avó se aventurou na bruxaria em seus anos de juventude, e coisas terríveis aconteceram; mas essa é outra história. Isso é agora, e ela estava comprando cartas de Tarô, pentagramas, livros Wiccanos e livros de magias, velas, algum tipo de argamassa e pilão, bonecas vodu, cristais e tudo mais o que você encontra em alguma loja de bruxaria bizarra em algum beco escuro.
Ela também comprou roupas estranhas, como casacos e vestidos góticos.
A coisa toda me pareceu estranha, embora ela tenha rido e dissesse que era bobeira, apenas por diversão.

Uma noite entre 10 e 11 horas, eu estava em um humor realmente sombrio sobre as coisas que estavam acontecendo na minha vida, então fiquei sentada à mesa com ela para falar sobre isso. Ela estava receptiva e perguntou se eu queria me sentir melhor e fazer os problemas desaparecerem. "Humm... ok?" foi minha reação quando eu assisti ela acender uma série de pequenas velas em ziguezague e colocar um CD de meditação.
A música parecia muito pacífica, e eu acompanhei sua técnica porque não tinha certeza do que se tratava. Ela desligou todas as outras luzes, exceto as velas acesas... e a sala estava bastante escura. Ela me disse para me concentrar em uma chama — e apenas naquela chama — e para desejar que o espírito de alguém controlasse sua energia.
Eu escolhi uma chama em particular que me atraiu a atenção e fixei o olhar nela. Era tudo em que eu podia me concentrar. Na verdade, eu estava começando a viajar e acreditar que estava ficando hipnotizada pela chama. O resto do universo desapareceu para mim e todo o meu ser ficou paralisado.
Não havia senso de tempo, lugar ou nada além da intensidade dessa chama. Ela tremeu horizontalmente, pegando força e cintilando mais rápido para frente e para trás. A chama parecia estar fora de controle; estava crescendo, ficando mais alta e balançando em várias direções. Meu coração começou a bater mais rápido. Não conseguia tirar o meu olhar da chama. A única coisa que percebi além desta chama era que as outras chamas em torno da minha visão periférica estavam pequenas e calmas, mas a chama que eu estava olhando tão atentamente estava agora em uma espiral descontrolada e elevando-se acima das outras. Senti medo, mas ainda não podia desviar o olhar. Eu sabia que algo não estava certo na minha mente, então reuni força de vontade e virei a cabeça bruscamente para meu ombro direito. Naquele momento, a chama acendeu em um lampejo que aqueceu o lado do meu rosto e iluminou o quarto com intensidade.
Minha avó imediatamente saltou de sua meditação, surpresa. Então aquilo se foi. A chama voltou ao normal, o mesmo tamanho e a mesma calma que as outras. "O que é que foi isso?" Lembro-me de perguntar. Ela não me respondeu. Ela ligou a luz do teto e desligou o CD. Ela assoprou as velas e essa foi a última coisa que foi dita sobre aquilo. Eu poderia dizer que ela estava desnorteada, ela mudou o assunto para algum problema com o filtro da piscina, então eu deixei estar.

Após este incidente, senti-me ainda mais estranha pelas coisas Wiccanas que tinha na casa. Comecei a adverti-la de que Deus não gosta de coisas assim. Mas ela me ignorou e continuou a dizer que era só para se divertir e nada daquilo era "material de feitiçaria sério".

Coisas estranhas estavam começando a acontecer. Não consegui mais sentir o cheiro de rosas e loção para bebês naquela sala de estar. Eu não sentia mais que eu estava sendo protegida ou consolada pelo espírito do meu avô.
Eu tentei conversar com ela sobre isso, mas ela parecia se concentrar nas coisas negativas sobre ele quando conversávamos, quase num tom odioso. Sua personalidade como um todo estava diferente. Coisas pequenas que ela costumava não dar bola, estavam deprimindo-na e causando-lhe uma explosão hostil.
Essas explosões estavam sendo dirigidas à mim, já que eu era a única que vivia com ela, bem como para meu tio (seu filho), que passava por lá de vez em quando. Toda vez que o nome do meu avô era citado, ela suspirava com desgosto e seu humor ficava azedo. Ela parou de sorrir, dar risada, falava vulgarmente e com aspereza. Não reconhecia mais essa pessoa.

Uma noite, eu estava no meu quarto e não conseguia dormir. Minha garganta estava muito seca, então desci as escadas para pegar algo para beber. Minha avó sempre preferia dormir em um sofá, então ela principalmente dormia na varanda fechada que chamamos de sala da Flórida.
Quando andei de volta para as escadas, vi que a TV ainda estava ligada, então entrei porque achava que ela ainda estava acordada, mas não estava. Ela estava dormindo e o quarto estava completamente frio. Eu vi que ela só tinha 1/4 do cobertor cobrindo-a e me perguntei como ela não estava congelando. Isso só me fez querer dormir ainda mais, sob meu cobertor quentinho, no meu quarto quentinho.

No dia seguinte, ela estava sentada em uma cadeira da cozinha quando desci as escadas. "Eu acho que Mario me mordeu quando eu estava dormindo", disse ela. Mario é um Poodle, um dos três cães que ela tem. Os outros são Abóbora e Mel, um Collie e um Bulmastife, os três com temperamentos gentis e amigáveis.
Olhei para o braço dela. "Isso não é uma mordida de cachorro", foi a primeira coisa que me recordo de dizer. Se fosse uma mordida de cachorro, estaria sangrando, e ela provavelmente estaria no hospital, não na mesa da cozinha. Havia duas fileiros de marcas de punção espalhadas por aproximadamente sete centímetros de comprimento. Sim, eles eram hematomas, mas não eram as marcas de dentes de cachorro, mas algo mais estreito, como marcas feitas por uma agulha grossa ou algo assim. Eu não sabia o quão profundo elas eram, mas havia sangue seco em torno delas, o que me levou a acreditar que havia sangrado por um tempo.
Um pouco mais acima no braço dela estavam algumas marcas de arranhões, que eram muito mais óbvias. Haviam quatro arranhões de aparência dolorosa que se estendiam cerca de 13 a 15 centímetros pelo braço. Perguntei como ela poderia ter feito isso, mas ela não tinha ideia. Ela disse que quando ela acordou, seu braço estava muito dolorido, então ela assumiu que talvez o braço dela tenha caído do sofá enquanto ela dormia, surpreendendo Mario que talvez a tivesse mordido.
"Os cães não estavam lá quando entrei", eu disse a ela. Abóbora estava dormindo embaixo da mesa da cozinha quando eu peguei minha bebida, e Mario e Mel dormiam no chão da sala de estar.

Com tudo o que estava acontecendo naquela casa, eu pensei na ideia de que a mordida poderia ser algo sobrenatural. Eu estava tendo maus pressentimentos naquela casa por meses: Ouvindo ruídos estranhos e passos, sentindo rajadas de ar gelado e, para completar, agora haviam evidências físicas de algo maligno. Se fosse sobrenatural, não era nada bom. As marcas de mordida e arranhões me diziam que o que quer que fosse, era maligno. E isso foi o suficiente para conversar seriamente com minha avó.
Então, alguns dias depois desse incidente, abri meu coração sobre a energia negativa que sentia, e o mau pressentimento que tive sobre o braço dela.
Eu esperava que ela descartasse meus maus sentimentos e me assegurasse mais uma vez que não havia nada de ruim na casa, mas ela ficou em silêncio. Então ela me disse que havia algo que queria que eu visse.

Segui-a até o topo da escada na sala de jogos e até a sala de pó. A sala de pó é um pequena sala de banho quadrada com apenas um banheiro e uma pia, e ao lado da parede, logo à direita da entrada, há um recanto onde ela mantém uma lâmpada e um pano de renda e abaixo do recanto havia um pequeno tabuleiro pintado, com pouco mais de 30cm. Neste pequeno tabuleiro haviam pequenos buracos que formavam uma estrela. (Parecia uma estrela de ligue-os-pontos, para lhe dar uma melhor compreensão do que era isso, os buracos eram muito pequenos e eram picados no tabuleiro. Quando eu era pequena achava que parecia legal.) Quando eu olhei para o que ela estava me dizendo para olhar, o pequeno tabuleiro havia desaparecido. Ela me disse que ela o havia quebrado, e eu estava pensando comigo mesma que ela havia perdido a cabeça. Eu não sabia do que ela estava falando.
"Isso era um pentagrama", disse ela. Essas palavras enviaram um arrepio pela minha coluna até a minha medula. Ela explicou que estava lendo um livro que ela comprou sobre o pentagrama com chifres em que três pontos de uma estrela estão em baixo e os outros dois pontos estão acima dele são maiores que os três abaixo, assemelhando-se à chifres. Era o que estava gravado no tabuleiro, e naquele momento senti meu coração parar.
Eu me ajoelhei e olhei para o espaço vazio atrás do que costumava ser o tabuleiro. Ela me disse para ver o que estava dentro. Todos os cabelos do meu corpo se arrepiaram. Retirei duas coisas: uma bíblia satânica e um amuleto de pentagrama. O amuleto de metal parecia tão velho, ele estava enferrujado. Eles pareciam um pouco empoeirados, mas era óbvio que ela já os havia limpado um pouco.

Não consegui tocá-los.

Deixei-os cair no chão e saí da casa o mais rápido que pude. Depois que cerca de dez minutos se passaram e eu me acalmei, voltei para dentro e discuti com ela. Perguntei-lhe o que aconteceu que ela decidiu destruir o tabuleiro. Ela disse que sabia o que essa estrela significava agora e, com uma sensação ruim, golpeou-a e sentiu que era ruim. Ela sentiu que havia algo por trás disso. Foi quando ela encontrou a bíblia satânica e o amuleto.
Ambos concordamos que todas as coisas de bruxaria que ela comprou deveriam sair. Vai saber o porquê desses itens satânicos estarem escondidos atrás daquele tabuleiro para início de conversa. Fiquei aterrorizada com o pensamento de que práticas ocultas estavam ocorrendo na casa no passado e tudo mais o que tivesse ocorrido nela.

Passaram-se alguns dias. Minha avó se livrou de todas as coisas de bruxaria que ela havia comprado, e também as coisas perturbadoras por trás do tabuleiro. Nada estranho aconteceu, então percebi que todos os ruídos que eu estava ouvindo — vozes fracas, um bebê chorando, e passos nos quartos onde ninguém estava — desapareceram.

Eu estava muito enganada.

Estava realmente frio uma noite. Minha avó e eu estávamos na cozinha esfregando os braços porque estava muito frio. Ela estava prestes a tomar banho no banheiro do andar de baixo e depois iria para a cama. Eu faria o mesmo depois dela. Eu estava exausta e apoiei minha cabeça em meus braços sobre a mesa para relaxar enquanto ela estava no chuveiro.
Cerca de dez minutos depois, ela subiu as escadas enrolada em uma toalha e com os cabelos cheios de espuma, segurando seu pescoço. Algo havia apertado sua garganta, ela disse, e ela estava tendo dificuldade em respirar. Levantei-me e olhei para o pescoço dela; com certeza, haviam marcas vermelhas em volta de sua garganta sob a forma de impressões digitais! Eu me apavorei com a situação, mas ela era muito teimosa para ir embora. Ela não podia simplesmente levantar-se e sair de sua casa, ela me disse.
Mas para mim, essa foi a última gota. Eu encontrei-me constantemente evitando espíritos malignos com orações e procurando freneticamente por algumas respostas e soluções. As coisas estavam piorando. Ela estava começando a acordar com contusões em seus braços e pernas que ela não podia explicar. Seu comportamento era tão odioso agora que eu evitava ela a todo custo. Eu saía da casa sempre que podia. E toda vez que eu punha o pé para dentro, o mesmo sentimento pesado e terrível me preenchia.
O sino da porta começava a tocar o tempo todo, mas já não havia mais uma boa sensação sobre isso. Não haviam sentimentos ternos, reconfortantes e nenhum aroma de rosas. Havia, no entanto, rajadas frequentes de ar frio, ruídos estranhos, e então começaram a aparecer  arranhões por toda a minha perna durante a noite.
Eu não tinha problemas para dormir, mas uma manhã no chuveiro eu percebi múltiplas contusões em mim mesma.

Então, duas semanas atrás, tivemos uma briga. Palavras que eu nunca pensei que ouviria, saíram de sua boca. Mas eu não poderia ajudar alguém que não quisesse ser ajudado. E aquela noite foi a última que eu falei com ela.

Atualmente estou morando com meus pais e espero que minha avó busque ajuda profissional para abençoar aquela casa. A experiência de tudo o que aconteceu abalou minhas crenças. Também me deu respeito pela luta paranormal e profunda para viver uma vida santa. Só posso esperar que os leitores tomem isso como um aviso para não abrir portas para coisas que vão se arrepender. Nunca dê ao mal um sinal de que ele é bem-vindo.

Relato de  Anônima - Estados Unidos
Capa  Jerad S. Marantz
Já teve alguma experiência inexplicável com o sobrenatural? Conhece a história de alguém que teve? Envie seu relato pelo formulário ou por email para contatozona33@gmail.com
[+] Reportar erro, acrescentar informações ou solicitar remoção.

Curta nossa fanpage no facebook



- Deixe seu comentário -

 
Est. 2013

Todas as imagens de filmes, séries e etc são marcas registradas de seus respectivos proprietários.