10 Histórias de encontros com doppelgangers

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Reza a lenda que Doppelgängers (palavra em alemão que seria mais ou menos "vagante-duplo") são duplicatas paranormais de uma pessoa real. Eles podem se manifestar de várias maneiras: você pode vê-los com a visão periférica, conhecê-los em uma estrada solitária em algum lugar, ou, com calma, vê-los de pé atrás de você enquanto se olha no espelho. Às vezes, um doppelgänger não pode ser visto pela pessoa, mas se manifesta para outras pessoas em um local completamente diferente. Pode até cooperar com a pessoa, ajudá-la com tarefas, ou agir como uma espécie de substituto.
Existem muitas explicações para o fenômeno doppelgänger. Os místicos ao longo dos tempos acreditam que são criaturas sobrenaturais: cópias espirituais da pessoa ou gêmeos demoníacos. Enquanto isso, os cientistas dizem que são apenas falhas elétricas do cérebro, ou doenças mentais como a esquizofrenia. Apenas duas coisas são certezas sobre essas estranhas aparições: muitas vezes são más notícias, e um número surpreendente significativo de figuras históricas alegou terem sido assombrados por eles.


10.

Johann Wolfgang von Goethe

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Goethe em 1828, pintura de Stieler. Reprodução/Wikipedia
Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832) foi um famoso escritor alemão, poeta e político. Um célebre autor que desempenhou um papel importante na formação do campo da literatura, sua obra foi/é amplamente lida e respeitada.
Certo dia, um Goethe deprimido estava andando por um caminho depois de deixar uma garota chamada Frederika. De repente, ele encarou uma pessoa misteriosa andando em sua direção. A pessoa, que Goethe disse ter visto com um "olho mental" em vez de seus olhos reais, era claramente o próprio Goethe, embora ele estivesse usando roupas diferentes. A figura logo desapareceu, e Goethe (que achou sua aparência estranhamente reconfortante) logo esqueceu completamente sobre isso.
Oito anos depois, ele se encontrou andando pelo mesmo caminho na direção oposta (para ver Frederika novamente). Foi quando ele percebeu que estava usando as mesmas roupas que o seu doppelgänger usava anos atrás.
Este não foi o único doppelgänger que Goethe viu. Outra vez, ele viu seu amigo Friedrich caminhando pela rua, vestindo o roupão do próprio Goethe. Perplexo, Goethe foi para casa... Apenas para encontrar Friedrich lá, vestindo o mesmo traje que Goethe havia visto na aparição. Seu amigo foi surpreendido pela chuva e pegou o roupão emprestado enquanto suas roupas secavam.



09.

Catarina II

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Retrato de Catarina II por Fedor Rokotov (1763, galeria de Tretyakov). Reprodução/Wikimedia
Catarina II "a Grande", a imperatriz russa do século XVIII, —famosa por seu apetite sexual exacerbado e pela generosidade com que distribuía títulos e terras para seus amantes— era uma figura poderosa e perigosa. Ela não ficava perturbada por coisas triviais, como ver o seu próprio doppelgänger fantasmagórico assumir o seu trono.
Dizem que uma noite, Catarina estava deitada na cama quando servos preocupados lhe disseram que a viram entrar na sala do trono. De posse do fato, Catarina foi investigar, apenas para encontrar o doppelgänger sentado calmamente no trono. Catarina imediatamente ordenou que seus guardas disparassem contra a sua contraparte fantasmagórica.
As histórias não indicam se a bala teve algum efeito na Imperatriz espectral. No entanto, a própria Catarina morreu pouco tempo depois (de um AVC enquanto vestia suas roupas, e não esmagada por um cavalo enquanto praticava zoofilia como as más línguas contam).



08.

Percy Bysshe Shelley

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Retrato de Shelley, por Alfred Clint. Reprodução/Wikipedia
Percy Bysshe Shelley foi um poeta brilhante, um dos mais importantes da Inglaterra, embora ele seja lembrado principalmente como o marido de Mary Shelley (a autora de Frankenstein). Embora se supunha que Mary, a escritora de terror, teria sido a única a ver fantasmas e monstros, foi, na verdade, Percy que testemunhou uma atividade de doppelgänger.
Pouco antes de Percy morrer afogado em um acidente naval em 1812, ele confessou a Mary que ele se encontrou com seu doppelgänger por diversas vezes. Esses confrontos incluíram uma experiência particularmente assombrosa onde ele caminhou para um terraço, apenas para ser saudado por seu doppelgänger que perguntou: "Por quanto tempo você pretende ficar contente?"
Curiosamente, o doppelgänger de Percy também foi testemunhado por sua amiga íntima, Jane Williams, que o viu passando pela janela (em uma rota frequentemente percorrida pelo Percy real) até um beco sem saída, mas sem retornar. O Percy real não estava por perto no momento.



07.

Sir Frederick Carne Rasch

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Frederic Carne Rasch, por William Maw Egley. Reprodução/Wikipedia
Em 1906, o membro do Parlamento britânico, Sir Gilbert Parker, estava participando de um debate quando viu Sir Frederick Carne Rasch, um colega também membro do parlamento, sentado perto. Isso surpreendeu muito Sir Gilbert, pois Sir Frederick estava gravemente afetado por uma gripe na época. Ainda assim, saudou educadamente a Sir Frederick e disse-lhe: "Espero que esteja se sentindo melhor." Carne Rasch não reagiu de forma alguma. Ele ficou sentado com uma expressão pedregosa e sombria no rosto.
Quando Sir Gilbert olhou novamente para seu amigo, o assento estava completamente vazio. Desconcertado, ele procurou Carne Rasch no lobby, apenas para descobrir que ninguém o tinha visto passar. Quando ele discutiu o evento com colegas parlamentares, descobriu que outros também haviam visto Carne Rasch.
Quando o verdadeiro Carne Rasch (que estava doente na cama o tempo todo) descobriu o incidente, ele não se surpreendeu. Ele realmente queria participar do debate, então, para ele, fazia sentido que seu espírito espreitasse. Sua família, no entanto, estava aterrorizada e temia que o doppelgänger fosse um sinal de mau agouro.
De certa forma, eles estavam certos: por algum tempo, Carne Rasch ficou irritado com outros membros do Parlamento, que continuavam cutucando-o com os dedos para se certificarem de que ele era de carne e osso. No final, ele teve que escrever uma carta de cunho sarcástico para um jornal local, pedindo desculpas por não ter o bom senso de morrer no momento do avistamento de seu dopplerganger e prometendo se comportar melhor da próxima vez.



06.

Rainha Elizabeth I

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Pintura por Marcus Gheeraerts II. Reprodução/Wikipedia
A rainha Elizabeth I (Isabel) da Inglaterra (que reinou de 1558-1603), filha de Henrique VIII e Ana Bolena(Sim, aquela que foi decapitada) foi a quinta e última da casa de Tudor a governar o país. Amplamente reconhecida como uma monarca carismática, nivelada e experiente, ela era o tipo de pessoa que não se esperaria deparar com o paranormal, o que torna o fato ainda mais assustador já que ela afirmou ter testemunhado seu doppelgänger.
De acordo com a Rainha, a Elizabeth espectral estava deitada imóvel em sua cama, quase como um cadáver preparado para o velório. A experiência foi particularmente assombrosa, porque essas aparições dizem ser um suposto sinal de morte. Ainda assim, seria fácil descrever o episódio como um lapso temporário na mente de uma monarca idosa e estressada... se não fosse pelo fato de Elizabeth ter morrido logo depois de ver o seu doppelgänger.

A rainha morreu no dia 24 de março de 1603 no Palácio de Richmond entre às 2h e 3h da madrugada. Ela não chegou a se casar e nem deixou herdeiros, ficando conhecida como "A rainha virgem". O conselho proclamou como seu sucessor Jaime VI da Escócia.



05.

Maria de Jesus de Ágreda

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Túmulo com o corpo preservado de Maria de Jesus no convento de Ágreda. Reprodução/Wikipedia
Embora os doppelgängers sejam geralmente percebidos como sinistros, diz-se que às vezes uma pessoa não só é capaz de controlá-los, como também usá-los como uma espécie de segundo corpo que pode "bilocar" para outros lugares em um instante.

Em 1622, ao Padre Alonzo de Benavides foi confiada a missão catequizadora de Isolita; no que é agora o estado americano do Novo México. Ele ficou perplexo ao encontrar índios Jamanos que, apesar de nunca antes terem se deparado com povos europeus; pareciam ter aprendido todos os rituais e liturgias Católicos Romanos, haviam altares e cruzes; orações, todas em sua língua nativa.
Benavides escreveu para ambos Papa Urbano VII e Rei Felipe da Espanha para saber quem tinha estado lá antes dele, evidentemente, para trabalhar no sentido de converter os índios ao cristianismo. A resposta foi que ninguém havia sido enviado anteriormente. Os índios, disseram-lhe, que tinham sido instruídos no cristianismo por uma bela jovem "vestida de azul" que viera entre eles há muitos anos e ensinou-lhes esta nova religião em sua própria língua.
Ela também disse-lhes que as pessoas de pele branca iriam em breve chegar às suas terras. "Ela veio aqui para baixo vindo das alturas", disseram os índios "ela nos ensinou a nova religião, permanecendo entre nós por algum tempo, ela nos disse que viriam e para que vocês fossem bem recebidos por nós, e em seguida, ela se foi para longe. Isso todos nós sabemos." disseram, referindo ao que Benavides tentava lhes ensinar.

Quem foi essa misteriosa mulher em azul? Padre Benavides sabia que as freiras dos conventos das Pobres Clarissas usavam hábitos azuis e logo associou a elas esta possibilidade. Ele encontrou uma pintura de uma freira e mostrou-a para os Jamanos. "Esta é a mulher?" ele perguntou. O vestido era o mesmo, os índios disseram a ele, mas esta não era a mulher. A mulher na pintura era bastante bonita, mas a senhora em azul que os visitou era muito jovem e muito bela.
Quando o padre retornou para a Espanha, voltou determinado a resolver o mistério. Como poderiam os índios encontrarem uma freira Clarissa quando elas eram enclausuradas a partir do dia em que tinham seus votos confirmados --e isso até a sua morte, as freiras nunca deixavam seus conventos, muito menos viajavam à terras distantes em missões catequizadoras. Sua investigação o levou à Irmã Maria de Jesus em Ágreda, na Espanha, que alegou ter convertido índios norte-americanos - sem sair de seu convento. A freira então com 29 anos de idade, disse que havia visitado os índios "não com seu corpo material, mas na sua essência, espiritualmente."

Maria nunca deixou seu convento e só conhecia o lugar que ela havia ido como "uma terra selvagem", mas sua história foi suficiente para convencer os sacerdotes.
Inicialmente, a Inquisição estava extremamente desconfiada de Maria, mas decidiram absolvê-la de acusações de bruxaria (possivelmente porque sua história era muito boa para desperdiçar). Seu poder foi declarado de origem divina. Ela se tornou uma celebridade internacional, líder de seu convento e uma autora de livros divagantes sobre como adquiriu seus poderes. No entanto, posteriormente ela mudou sua história por diversas vezes. Às vezes, ela afirmava que foi pressionada a dizer que poderia habitualmente lançar sua cópia espiritual para outro continente; às vezes ela dizia que tudo era verdade, afinal.

Em 1673 iniciou-se o seu processo de beatificação, tendo chegado a ser declarada Venerável pelo Papa Clemente X. Passados quase quatrocentos anos após a sua morte, o seu corpo continua incorrupto e encontra-se exposto na Igreja do Convento de Ágreda.



04.

Abraham Lincoln

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Abraham Lincoln por Alexander Gardner/Wikimedia.
Abraham Lincoln era conhecido como o "Honesto Abe" e, como tal, era muito aberto quanto ao seu interesse pelo sobrenatural... pelo menos em discussões privadas. De acordo com o próprio homem, ele também experimentou alguma atividade paranormal. Na noite de sua primeira eleição, ele tirou um momento para descansar no sofá. Enquanto estava deitado, ele olhou para um espelho e viu seu próprio rosto — exceto que ele possuía dois rostos.
Um segundo Lincoln, pálido e fantasmagórico, estava olhando para ele do espelho, logo ao lado de seu próprio rosto. Assustado, ele se levantou do sofá...  e o doppelgänger desapareceu. Ele se recostou, apenas para vê-lo novamente.
Lincoln ficou assustado, mas sua esposa Mary ficou aterrorizada. Ela estava convencida de que o doppelgänger significava más notícias — um certo sinal de que Lincoln seria reeleito para um segundo mandato (possivelmente porque dois Lincolns seriam iguais a dois mandatos), mas não sobreviveria para exercê-lo (porque o segundo Lincoln parecia moribundo).
Lincoln continuou a repetir a experiência do sofá de vez em quando. Ele conseguiu vislumbrar o doppelgänger mais uma vez, mas depois disso ele parou de aparecer. Talvez tenha emitido sua mensagem, já que Lincoln não conseguiu sobreviver para o seu segundo mandato.

Em 14 de Abril de 1865, enquanto assistia a peça "Our American Cousin" no teatro Ford, Abraham Lincoln foi atingido por um tiro na nuca disparado por John Wilkes, um espião confederado. O presidente não resistiu ao ferimento, ficando 9 horas em coma e vindo a falecer na manhã seguinte.



03.

George Tryon

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Vice Almirante Sir George Tryon. Reprodução/Wikipedia
22 de junho de 1893 não foi um dia agradável para o vice almirante George Tryon. Ele estava comandando duas colunas de navios ao largo da costa da Síria, quando ele deu um comando para as colunas se virarem uma para a outra. Esta tentativa de uma majestosa manobra naval de fragatas acabou por se mostrar um erro amador, quando os primeiros navios se precipitaram um para o outro, e um deles —justo o que Tryon estava, o HMS Victoria— afundou como uma pedra. Tryon morreu sabendo que ele acabara de condenar 357 homens a morrerem afogados. Suas últimas palavras foram, de forma apropriada e dolorosa, "é inteiramente minha culpa."
Ao mesmo tempo, a esposa de Tryon estava dando uma festa pródiga para seus amigos em sua casa em Londres. De repente, para a surpresa dos hóspedes, Tryon apareceu na festa. Silenciosamente, ele caminhou por uma escada, passou solenemente pelo salão e abriu a porta como que para sair... antes de desaparecer de repente.
Ele estava vestido o uniforme completo, como se ele estivesse comandando uma fragata.

Existem algumas brechas na história. Por exemplo, alguns dizem que Lady Tryon estava ocupada com os convidados e nunca viu este doppelgänger, enquanto outros afirmam que ela era uma dos espectadores. Ainda assim, o relato tem uma estranha semelhança com os velhos contos marítimos sobre a "aparição" de um marinheiro (outro nome para um espírito doppelgänger) alertando sua família sobre a sua morte.



02.

Guy de Maupassant

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Reprodução/Wikipedia
O escritor francês Henri-René-Albert-Guy de Maupassant é conhecido pelo que talvez seja a experiência mais íntima de um doppelgänger já registrada. No final de sua vida, ele disse ter interagido regularmente com seu doppelgänger. Este estranho gêmeo não só falou com ele, como na verdade se sentou e começou a ditar uma breve história para ele. Sim, de Maupassant afirmou que uma de suas últimas histórias foi literalmente escrita por um ghostwriter (escritor fantasma) — por nada menos que seu próprio fantasma.
Se isso não for suficientemente bizarro, não se preocupe, fica ainda melhor. A história que o espírito alegadamente ditava para Maupassant era "O Horla", um conto incansável de um homem cuja sanidade é lentamente consumida por um espírito maligno que o usa como hospedeiro. Como se estivesse ecoando a história, a saúde mental de Maupassant começou a deteriorar-se logo após a conclusão.
Em outra versão dos eventos, o doppelgänger não ditou o livro, e teria desaparecido quando o aterrorizado Maupassant chamou seu criado. No entanto, a aparição retornou alguns meses depois, entrou no quarto do escritor, olhando para ele com uma expressão triste. Então sentou-se e enterrou o rosto nas mãos, como se estivesse desesperado. Convencido de que o doppelgänger trazia notícias de desastre, a vida do horrorizado Maupassant entrou em declive a partir daí.

Em seus últimos anos ele desenvolveu um constante desejo de solidão, uma obsessão para a auto-preservação, medo de morrer e paranoia de perseguição provavelmente proveniente da sífilis que contraiu na juventude. Em 2 de janeiro de 1892, Maupassant tentou cometer suicídio cortando sua garganta (aliás, para quem tinha medo de morrer...) enquanto estava internado no célebre asilo mental do Dr. Esprit Blanche, em Passy , uma área histórica de Paris, onde ele veio a falecer em 6 de julho de 1893. Guy de Maupassant foi um grande autor e sempre será lembrado como um dos maiores escritores franceses de todos os tempos.



01.

Emilie Sagée 

Doppelganger, terror, medo, bilocação, aparição
Créditos:General Photographic agency/Getty. Reprodução/Thelineup
Emilie Sagée nunca viu seu doppelgänger. Todos os outros o viram, no entanto.
Sagée trabalhou no Pensionato von Neuwelcke para Meninas. Ela era uma professora muito boa, mas por algum motivo ela continuava movendo-se de um emprego para outro. Em 16 anos, ela mudou de emprego impressionantes 19 vezes. Em 1845, a escola descobriu o porquê.
Sagée era supostamente o centro de uma atividade muito estranha de doppelgänger. Seu gêmeo espectral foi visto pela primeira vez durante uma aula, enquanto 13 estudantes testemunharam o doppelgänger de pé ao lado de Sagée e espelhando seus movimentos. Em seguida, a cópia ficou atrás dela enquanto ela comia, imitando seus movimentos. A própria Sagée era completamente inconsciente da aparição, apesar do fato de que todos os outros pudessem vê-la claramente. No entanto, ela tornava-se estranhamente grogue e impotente durante os tempos em que o doppelgänger se manifestava, e o doppelgänger foi visto muitas vezes fazendo coisas que Sagée disse mais tarde estar pensando no momento, sugerindo que ela poderia ter tido algum controle subliminar sobre ele.

Durante o verão de 1846, 42 meninas estavam no hall da escola se acomodando para esperar o início de suas aulas de costura e bordado. Conforme iam se sentando, podiam ver através da janela a Professora Sagée colhendo flores no jardim. Então, a professora que estava na sala teve de se ausentar para falar com a diretora e, assim que saiu da sala, o doppelganger de Emilie tomou seu lugar, sentando-se em sua cadeira. Neste momento, as estudantes se apavoraram, pois, podiam ver ambas as versões de sua professora ao mesmo tempo, mas em locais separados. Então, duas meninas se encheram de coragem e foram até a tal cópia para ver o que acontecia. Falaram com a falsa Emilie, porém não obtiveram resposta, então elas tentaram tocá-la mas não conseguiam, era como se houvesse um campo de força que impedia a aproximação. Quando elas finalmente conseguiram chegar próximas ao toque, o espírito começou a lentamente desaparecer.
Passou o tempo e a aparição tornou-se um elemento permanente no cotidiano da escola, afligindo pessoas de forma regular. Os pais preocupados das meninas começaram a remover suas filhas da escola. Embora Sagée fosse uma empregada modelo em todos os aspectos não-paranormais, a diretora não teve opção senão demitir ela e sua gêmea fantasmagórica.
Depois de ter deixado o pensionato do Sr. Buch, Emilie Sagée se retirou para a casa de sua cunhada, mãe de várias crianças que rapidamente se acostumaram com o fenômeno ao qual a jovem estava sujeita.

A história de Emilie Sagée ficou conhecida através das pessoas que a viram. O pensionato von Neuwelcke recebia apenas jovens senhoras da nobreza. Quando se tornavam senhoras idosas, algumas delas escreviam suas lembranças, como era costume na época, nesta sociedade. E uma delas, a baronesa de Guldenstubbe, a pequena Julie que o Sr. Buch estava tão orgulhoso de ter em seu estabelecimento, escreveu tantas coisas sobre Emilie Sagée em suas lembranças, que o escritor e filósofo inglês Robert Dale Owen quis encontrá-la. A baronesa forneceu muitos detalhes ao escritor sobre a dualidade da professora de francês. Detalhes que ele relatou em um de seus livros, que tem o título "Sons de Passos nas Fronteiras de Outra Vida" [Bruits de pas sur les frontières d'une autre vie].



Fonte(s)  listverse, wikipedia (1), (2), (3), (4), (5), oarquivo, marilynkaydennis
Imagem de capa  Jen e Sylvia Soska
[+] Reportar erro, acrescentar informações ou solicitar remoção.

Curta nossa fanpage no facebook



- Deixe seu comentário -

 
Est. 2013

Todas as imagens de filmes, séries e etc são marcas registradas de seus respectivos proprietários.