10 Locais sinistros com lendas sobre vampiros

|
A humanidade sempre foi estranhamente fascinada com o que está à espreita nas sombras da noite, aquilo que desafia a sua compreensão, longe o suficiente da fogueira de forma que não conseguem ver o que é. Os vampiros sempre tiveram uma posição de honra entre monstros mitológicos na história da humanidade, e por séculos temos contado histórias destes seres sugadores de sangue, criaturas perpetuamente famintas. Se as histórias são reais, então vampiros vagam pelo mundo todo - e em alguns lugares, eles têm as suas próprias casas mal-assombradas.



10.

Necrópole Sul

Glasgow, Escócia
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
Em uma noite de setembro em 1954, centenas de crianças convergiram para a Necrópole Sul, em Glasgow, na Escócia. Algumas estavam armadas com facas e armas improvisadas, outras tinham trazido seus cães, e todas elas estavam determinadas a obter um pedaço do que quer que fosse aquilo que havia pegado dois de seus colegas de classe. Se ninguém conseguisse fazer algo quanto ao desaparecimento delas, eles indubitavelmente estavam dispostos a se arriscarem pelos colegas.

Haviam rumores de que o cemitério seria a nova moradia de um vampiro de mais de 2 metros de altura, com dentes de ferro, o qual estaria satisfazendo sua sede com o sangue de crianças. E as crianças de Glasgow certamente não estavam dispostas a ficarem à mercê deste vampiro. Os rumores se espalharam através de escolas, playgrounds e parques, e em 23 de setembro, crianças de 4 à 14 anos, estavam prontas e esperando a criatura fazer a sua aparição.
Ele não o fez, é claro, mas é fácil entender por que a Necrópole do Sul teria dado luz à tais rumores. A cidade dos mortos havia sido organizada em 1840, construída para lidar com o número cada vez maior de mortos em Glasgow. Com mais de 250 mil pessoas enterradas no cemitério, os seus campos verdes de monumentos, estátuas, túmulos e mausoléus, parecem um lugar irresistível, misterioso, que se estende infinitamente até o desconhecido.... especialmente quando você ainda é uma criança.

No fim das contas, não encontraram no local nenhum vampiro, e embora tenha levado muitos, muitos dias para os oficiais da lei, professores e os pais, convencerem às crianças de que não haveria nada no local, a multidão de crianças revoltadas finalmente diminuiu. O que não diminuiu, porém, foi o clamor público sobre o que havia plantado esses pensamentos em suas cabeças, em primeiro lugar. O dedo foi apontado para os monstros em quadrinhos saídos de "Os contos da cripta". No final, nenhum vampiro jamais foi encontrado na Necrópole, mas o incidente fez desencadear o início de regulamentos que limitavam quais tipos de materiais poderiam ser vendidos para crianças pequenas.



09.

Zarozje

Sérvia
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo, sava savanovic
Quando um moinho de séculos de idade, na pequena cidade de Zarozje, Sérvia, entrou em colapso em 2012, culminou em um grande aviso de saúde sendo emitido pelo governo. Não por causa de qualquer perigo do próprio moinho, mas por causa do perigo que seu ocupante sobrenatural representava.

Segundo a lenda, o moinho foi o lar de um vampiro chamado Sava Savanovic. O vampiro atacava as pessoas que desavisadamente adentravam em seu moinho, ou aqueles que simplesmente entravam para moer seus grãos. Savanovic supostamente viveu em paz com seus vizinhos por séculos, como eles mantiveram distância, o trataram com respeito, e mantiveram um pouco de alho à mão... apenas por precaução.

Na década de 1950, o moinho foi convertido em uma atração turística por uma família que decidiu que a cidade precisava ter um belo ponto turístico para a sua lenda secular. E funcionou, por algum tempo; o comércio turístico foi rápido, mas ninguém foi autorizado a permanecer no moinho durante a noite, em respeito à Savanovic. Todo o tempo, grunhidos estranhos foram ouvidos durante a noite, e algumas pessoas disseram que o vampiro foi visto de pé no moinho. Não surpreendentemente, nenhum dos moradores chegaram mais perto do moinho, deixando-o à mercê dos elementos. Danos e desgaste tornaram-no degradado, e o moinho finalmente entrou em colapso.

Com a destruição da casa do vampiro, os moradores temiam que ele estaria ativo novamente — e à procura de um novo lar. Durante o conselho principal da cidade, os moradores redobraram seus esforços em manter o vampiro na baía. O aviso oficial emitido pela cidade instruiu todos a manter alho e uma Santa Cruz em todos os quartos... e assim eles o fazem até hoje.



08.

Berwick-upon-tweed

Inglaterra
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
Berwick-upon-Tweed é uma cidade do norte da Inglaterra que se orgulha de seus muros elisabetanos, bem como de seus museus, galerias, da cena musical vibrante e eventos esportivos para toda a família. Eles também são o local de um dos primeiros relatos de vampiros registrados em toda a Grã-Bretanha.

William de Newburgh, também conhecido como William Parvus, viveu de 1136 a 1198. Ele conta a história de Berwick, localizada à foz do rio Tweed, e lar de um homem que vendeu sua alma ao diabo. Dizia-se que depois que ele foi enterrado, o diabo o trouxe de volta para a terra dos vivos e enviou-o para vagar pela cidade com um grupo de cães fantasmagóricos. Moradores acordavam por causa do latido incessante dos cães, e sabiam que ele estava andando pelas ruas. No começo, o povo da cidade trancava suas portas. Depois de várias noites ouvindo os cachorros latindo, decidiram que já estavam cansados de ter este cadáver ambulante assombrando suas ruas.

Algumas das almas valentes são creditadas pela exumação do corpo do homem em questão, os quais o cortaram em pedaços. Os moradores que tinham visto o cadáver em suas andanças noturnas, tinham dito que eles precisavam queimar o corpo, ou então ele simplesmente voltaria. Então eles queimaram o corpo, mas a lenda diz que ele lançou uma praga sobre a cidade e sobre o terreno circundante, levando consigo um número de vidas antes de finalmente desaparecer.



07.

Castelos Poenari e Tokat

Romênia e Turquia, respectivamente
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
Nenhuma lista sobre lugares reais assombrados por vampiros, seria completa sem uma menção do vampiro mais famoso, o Conde Drácula. É bem sabido que ele foi baseado em Vlad, o Empalador, mas a história do reinado do jovem romeno foi tantas vezes recontada e embelezada que é difícil separar o fato da ficção.

Recentemente, os arqueólogos acreditam que eles descobriram um novo capítulo na história de vida de Vlad — o do castelo Tokat. Ele tinha apenas 12 anos quando ele caiu nas mãos dos turcos; seu pai, Vlad II, deixou seu filho mais infame nas mãos dos otomanos, a fim de convencê-los de que eles tinham a sua lealdade. Vlad III e seu irmão mais novo, Radu, foram aprisionados no castelo Tokat, e os arqueólogos estão dizendo agora que eles estão começando a juntar as peças de um período pouco conhecido da vida do jovem príncipe.
Eles descobriram uma masmorra, que também está perto de um abrigo militar e ligada à outros edifícios — como banhos romanos — por uma série de túneis subterrâneos. Manter os dois rapazes em um lugar como esses, foi um longo caminho percorrido para explicar o ódio de Vlad, o Empalador, para com seus inimigos otomanos, e só podemos imaginar os pesadelo de infância que estavam passando por sua mente enquanto ele empalava o número estimado de 20.000 soldados otomanos, como uma clara mensagem aos seus inimigos de longa data.

O outro castelo que tem sido ligado ao infame príncipe como sua verdadeira residência permanente, é o  castelo Poenari. No momento em que Vlad chegou ao poder em 1456, Poenari (que tinha sido construído no século 13) tinha em grande parte, caído em ruína. Reconhecendo os benefícios surpreendentes de defesa que o castelo tinha para oferecer, ele o reconstruiu, de uma forma que teria feito sua contraparte ficcional orgulhosa. De acordo com a história, era o primeiro dia da Páscoa, e Vlad invadiu a cidade vizinha de Targoviste — que ele já sabia ser o lar de um número de pessoas que estavam em clara oposição à ele e seu governo. Os velhos e enfermos, foram montados em estacas, e os outros foram usados como trabalhadores escravos. Vlad colou-os para trabalhar na reconstrução de Poenari, e a história diz que muitos estavam com tanto medo dele, que trabalharam até a morte.

A nota triste para a história é o destino da primeira esposa de Vlad. Aterrorizada por um ataque turco sobre a fortaleza, ela se jogou dos muros de Poenari e caiu no que é hoje conhecido como rio da senhora. Ela morreu nas rochas, e o rio foi dito ter ficado vermelho com seu sangue.

Quando à Vlad, nem é preciso contar sobre as inúmeras lendas quanto à ele ter voltado da morte como um vampiro.



06.

Nellie Vaughn

A vampira que nunca foi.
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
Nellie Vaughn tinha 19 anos quando ela morreu de pneumonia, em 31 de março de 1889. Na época, ela foi enterrada no cemitério da Igreja Batista Plain Meeting House, não havia nada de fenomenal sobre ela. Triste, certamente, uma vida brevemente ceifada, outra criança enterrada por seus pais. Mas não haviam rumores de sua ressurreição dos mortos, nenhuma história sobre ela perseguindo sua família e não houveram membros da família que de repente começaram a definhar.

Os casos em que toda a família foi atingida por tuberculose que assolava a Nova Inglaterra e que no momento, deram origem ao pânico generalizado sobre vampiros, não ocorreu no caso de Nellie Vaughn. Mas, ainda assim, ela tragicamente se tornou a própria lenda de vampiros da cidade.

Em 1977, um artigo de jornal foi publicado sobre o seu túmulo, dizendo que nada crescia lá e que tinha uma aparência distintamente afundada — ambos os sinais de que era o local de enterro de um vampiro. Ele também citou a inscrição do túmulo — Estou esperando e observando você — como outro elemento que ligava ela com o folclore vampírico... mesmo que a inscrição seja um tanto inofensiva e comum em sepulturas do período. A lenda decolou, reforçada por um professor do ensino médio que supostamente disse à sua classe sobre a vampira da cidade... embora o professor nunca tenha sido identificado.

Como muitas lendas urbanas, não aparece ninguém que já ouviu a história de uma fonte em primeira mão. Mas, infelizmente, isso não impediu os moradores de profanar o túmulo. A lápide original foi arrancada e roubada; mais de uma vez, o sol da manhã revelaria que alguém tinha tentado desenterrar o corpo dela. Histórias de fantasmas começaram a circular, sobre as pessoas que tiveram seus rostos arranhados por mãos invisíveis, e mulheres misteriosas que seriam vistas vagando em volta da sepultura, aumentando ainda mais os rumores de que Nellie seria uma vampira. Eventualmente, sua lápide foi transferida para proteger o local de seu corpo, quando em 1993, vândalos conseguiram cavar uma sepultura. O caixão continha os restos de um homem mais velho, e quando a exumação foi descoberta, o cadáver tinha sido trocado por uma lata de cerveja e um maço de cigarros.



05.

Os vampiros de Sarbanovac

Sérvia
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
Em algumas áreas, a Igreja Católica tentou — sem sucesso — conter a onda de relatos de avistamentos de vampiros e as consequências inevitáveis da exumação e profanação dos corpos em questão. Infelizmente, isso nem sempre funcionou.

Hoje, Sarbanovac é o lar de mais de 2.000 pessoas, uma pequena cidade na parte leste da Sérvia. Em 1839, os moradores se convenceram de que havia um vampiro no meio deles, e eles recorreram à igreja para pedir ajuda. A ajuda foi negada e, mais do que isso, eles foram proibidos de tomar qualquer ação por conta própria. Como as coisas tem um jeito engraçado de acontecer, não demorou muito para que o padre de Sarbanovac fosse chamado para fora da cidade, e os moradores fizessem o que achavam que precisavam fazer.

Eles contrataram um homem chamado Novak Mikov, que assumiu as responsabilidades para estar no comando da caça ao vampiro. Haviam nove aldeões que haviam sido nomeados como vampiros em seu apelo para a igreja (juntamente com os nomes de suas supostas vítimas); os nove túmulos foram desenterrados. Oito deles, os moradores confirmaram suas suspeitas de serem vampiros; eles extraíram os corações dos corpos, cozinharam-nos em vinho, e em seguida, recolocaram os corações e enterraram os corpos novamente. O nono corpo estava em um estado que sugeriu que ele não fazia parte do clã de vampiros que vinha aterrorizando sua pequena vila, e foi enterrado sem ser profanado.

Quando o padre voltou, o caso foi levado ao tribunal. Dois dos homens, incluindo Mikov e o homem que tinha agido como seu braço direito, foram considerados culpados de mutilar os mortos e profanar as sepulturas. Eles foram condenados a servir sete dias na cadeia e serem açoitados 30 vezes com uma bengala. No final das contas, suas ações realmente colocaram fim ao reinado de terror dos vampiros no vilarejo.



04.

Mansão Eastbury

Dorset, Inglaterra
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
A mansão Eastbury foi originalmente construída em 1718, concebida com a ideia de que ela seria não apenas uma enorme casa de campo, mas uma das maiores da Inglaterra e uma prova do sucesso e da riqueza de sua família. George Doddington morreu antes que a casa fosse concluída, porém, passou-a para seu sobrinho. Houve uma série de problemas não-sobrenaturais com a casa e seus moradores, incluindo dívidas e uma briga entre moradores nas proximidades e os moradores da casa — cujos sonhos de serem eleitos para um cargo público foram profundamente frustrados. Eventualmente, o segundo conde, dono da casa, não conseguia manter pessoas na casa nem pagando.

Enquanto ele esteve fora do país, na Itália, os cuidados da casa foram para William Doggett. Doggett recebeu ordens do seu chefe para começar a desmantelar partes da casa; como Doggett tinha bastante certeza de que o conde não retornaria da Itália — nunca — ele decidiu não só desmontar a casa, mas começar a vender os materiais. No momento em que ele recebeu a notícia de que o conde estava voltando, tudo o que restava da outrora enorme casa, era uma única ala e os estábulos. O resto dos materiais já haviam sido não apenas vendidos, mas usados em outros edifícios. Doggett cometeu suicídio ao invés de enfrentar seu chefe, e dizia-se que sua morte deixou uma mancha de sangue no chão do local, que não iria sumir.

No começo, era o fantasma de Doggett que foi pensado estar habitando a casa. Então, durante uma re-organização da igreja local de 1845, o corpo de Doggett foi exumado e encontrado no mesmo estado em que foi enterrado. Estranhamente, as pernas estavam esticadas junto com uma fita amarela, mas não haviam sinais de decomposição — os moradores sabiam que tinham um vampiro em suas mãos, e que o fantasma que haviam visto era o próprio Doggett.

As versões posteriores da história têm uma adição muito assustadora. Todas as noites, à meia-noite, todos os moradores que fossem tolos o suficiente para estarem acordados e nas imediações do cemitério da igreja, iriam ver uma cocheira infernal, conduzida por um cocheiro sem cabeça e puxado por cavalos também sem cabeça, indo para a igreja. Doggett sairia de seu túmulo e pediria para ser levado para casa. O cocheiro o levaria até a mansão Eastbury, e quando Doggett chegasse à casa, um único tiro seria ouvido, já que ele é forçado a reviver seu suicídio, noite após noite.



03.

Gliwice e Kamien Pomorski

Polônia
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
Às vezes, lendas e folclore acabam perdidos nas brumas da história — e, por vezes, os medos e as crenças das pessoas reais fazem com que eles se percam.

Não temos certeza de quais histórias estão por trás dos enterros de vampiros recém-descobertos na Polônia, mas o que é inegável, é que os contemporâneos dos mortos os viam como uma ameaça muito real. Um túmulo recentemente descoberto na cidade de Kamien Pomorski, localizada no noroeste da Polônia, revelou um corpo que tinha sido não apenas virado de costas, mas também teve seus dentes removidos e uma grande rocha forçada em sua boca.

E em Gliwice, enquanto cavavam para construir uma nova estrada, descobriram quatro esqueletos que haviam sido submetidos a um enterro similar. Cada um dos corpos foi decapitado, e o crânio posicionado sobre as pernas do morto.

Vampiros poloneses são um pouco diferentes do tradicional tipo "Conde Drácula" de vampiro — sem surpresa, como muitas culturas adicionam suas próprias variações sobre a lenda básica de alguém voltando do túmulo. Na Polônia, os vampiros são também ditos não só a perseguir os vivos, mas também comem a sua própria carne, quando eles retornam, assim como as roupas com que eles foram enterrados. Estamos todos familiarizados com a terrível ideia de ser mordido por um vampiro e, em seguida, tornar-se um, mas de acordo com a tradição polonesa, as pessoas são nascidas como vampiros. Eles costumam viver vidas normais, cuidando das famílias, arando campos e comemorando os feriados, como seus vizinhos. Quando eles morreram, no entanto, eles se revelam como vampiros; eles também eram conhecidos por voltar para suas famílias, e os vampiros do sexo masculino seriam capazes de ter filhos com suas esposas.



02.

Kriga e Jure Grando

Croácia
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo, jure grando
Kringa é uma cidade relativamente pequena na península de Ístria, na Croácia, com uma população de pouco mais de 300 pessoas. Eles esperam manter o turismo ativo em sua pequena cidade, capitalizando um homem que viveu em 1600, e atormentou a vila por 16 anos.

De acordo com a história, Jure Grando era um morador local que se tornou um vampiro após a sua morte. Por 16 anos, os moradores viviam com medo dessa criatura que espreitava a noite, visitava sua viúva, noite após noite e molestava ela. Ocasionalmente, ele vagava até a casa de alguém, e batia na porta. A batida era aterrorizante, pois significava que alguém na casa iria morrer em breve.

Em 1672, os moradores finalmente decidiram que já tiveram o suficiente de seu tormento, e que seria necessário despachar o vampiro. Eles desenterraram o caixão e encontraram-no, com aparência tão vívida quanto no dia em que ele tinha sido enterrado, e mais assustadoramente, ele estava sorrindo. As tentativas de fincar uma estaca em seu coração falharam e, finalmente, um dos homens que haviam cavado a sepultura, o decapitou. Após isso, Grando não voltou mais de seu túmulo.

Kringa está revitalizando o vampiro que outrora lutavam para matar. Eles abriram um bar temático de vampiros, e eles estão comemorando a obra dos nove bravos homens locais que puseram fim em Jure Grando, com uma placa. No entanto, eles não têm a aprovação de todos com essa história, principalmente por parte dos anciões locais.



01.

Leacht Abhartach

Irlanda
historias de vampiros, de verdade, real, lugares, retornados, strigoi, terror, medo
A história do anão Abhartach é uma das mais antigas na lista, e muitas vezes é dita ser a encarnação mais antiga da lenda dos vampiros na Europa Ocidental. A história é contada no que é agora pouco mais do que uma única pedra maciça, localizada no campo de uma área da Irlanda conhecida como a Sepultura do Gigante. Localizado entre Dungiven e Garvagh, o campo é considerado o local de descanso de um homem mau — e um dos primeiros vampiros conhecidos.

As histórias variam. De acordo com uma versão, Abhartach era um feiticeiro e um tirano que se convenceu de que sua esposa estava tendo um caso. A fim de pegar ela e seu suposto amante, ele subiu no telhado de sua casa e tentou caminhar ao longo da borda da janela. Antes que ele pudesse dar uma olhada no que — isso tudo uma suposição — estava acontecendo no quarto de dormir, ele caiu para a morte. No entanto essa versão da história parece ser uma confusão com a história do vampiro do castelo de Alnwick.

A outra versão da história, diz que ele era um governante cruel e também um poderoso feiticeiro, e nesta versão, foi morto por um governante rival.
Independentemente de como ele foi parar na sepultura, a história conta que ele voltou dela no dia seguinte em que ele foi enterrado. Ele começou a exigir que seus súditos enchessem taças com o seu sangue, para que ele pudesse beber e continuar a voltar do túmulo. Um assassino contratado para despachar a criatura infernal (ou o herói que o matou pela primeira vez, no caso da segunda versão da história) tenta matá-lo novamente, mas ele continua voltando.

Um homem santo — dependendo da história, mais uma vez, ou é um druida ou um padre — diz a eles que eles devem cravar uma estaca feita a partir de um teixo, através do coração da criatura, e então, enterrá-lo de cabeça para baixo, polvilhar espinhos em cima da sepultura e, em seguida, cobrir a sepultura com uma pedra enorme, a fim de impedi-lo de voltar. A pedra permanece no local, e as tentativas de removê-la de lá — supostamente — têm sido misteriosamente frustradas.



Imagem de capa   arquivo de fotografia de keasbury-gordon/alamy