Assombrações

7 Relatos de cadeiras assombradas

|
Cadeiras antigas já costumam inspirar um certo ar de macabro, agora se vier acompanhada do gasparzinho... aí eleva as coisas a um novo nível. Os 7 relatos a seguir narram histórias de pessoas que se depararam com cadeiras assombradas ou que de alguma forma envolvem cadeiras e fantasmas.


07. A Cadeira
Krom1978 - Estados Unidos
Já faz algum tempo desde que falei sobre experiências sobrenaturais, mas recentemente coisas estão acontecendo na vida de minha família.
Minha esposa e eu agora possuímos uma casa na cidade, e adicionamos uma cadela à nossa família, uma mistura de Pastor Alemão/Rottweiler que é insanamente grande. Para futuras referências nesta história, vou me referir a ela como Hannah. Nosso filho se formou no 1º grau e então uma tragédia ocorreu em nossas vidas quando perdemos a nossa filha quando ainda estava na barriga por anormalidades genéticas; isso há 2 anos atrás. Por causa desse incidente eu perdi minha fé pagã, mas minha esposa ainda manteve a dela.

Agora que temos um pequeno pano de fundo, vamos mergulhar no incidente. Cerca de 9 meses atrás, minha avó comprou uma cadeira horrível que parecia datar do início dos anos 1900. Claro que minha avó não tem consciência psíquica e decidiu que seria uma ótima ideia trazê-la e colocá-la em seu escritório imobiliário. Minha mãe (que provavelmente tem 5x a consciência psíquica que tenho) trabalha no escritório imobiliário também, e imediatamente depois de ver a cadeira exigiu que ela fosse retirada. Suas palavras foram que ela era assustadora e que algo "não estava certo", então minha avó procurou uma solução.
Minha esposa, que se apaixonou pela cadeira pediu secretamente para meu avô levá-la para nossa casa. Eu não tinha ideia de que aquilo estava lá, eu estava no trabalho quando foi trazida. Chego em casa mais tarde e nem percebo esta cadeira no canto da nossa casa. Eu literalmente estava inconsciente de estar lá o dia todo. Minha esposa vai para a cama e também o nosso filho como ele tinha escola no dia seguinte.

Era por volta de meia-noite e eu estava deitado no sofá assistindo anime no Hulu (serviço de streaming concorrente da Netflix) com Hannah deitada no chão na minha frente. De repente, sinto-me realmente desconfortável, e Hannah devia estar também pois o rosto dela se dirigiu até a cadeira, e foi neste momento que finalmente notei essa coisa estacionada no canto. A única maneira que eu posso descrever como me senti depois de ver aquilo era como um rato sendo encurralado. Nada aconteceu, mas eu sabia que algo estava lá, meus sentidos me disseram que algo estava sentado lá.

Neste ponto, eu decidi que eu não iria ficar no andar de baixo, então eu me levantei e joguei os palitinhos de pão que eu estava comendo mais cedo no lixo da cozinha. Levei Hannah lá fora para que ela "fosse ao banheiro" antes de dormir. Chegamos no andar de cima e ela rastejou para sua cama ao lado da nossa.
Nós ficamos por cerca de 15 minutos e ela começou a passear pelo quarto ofegante. Minha esposa me disse para levá-la de volta para fora, então nós descemos as escadas, e na sala de estar estavam os palitos de pão que eu havia jogado fora. Eles estavam simplesmente jogados no meio do chão. Hannah e eu simplesmente olhamos para eles, e ela nem tentou comê-los. Peguei-os e joguei-os novamente na cozinha.
Nós saímos pela porta da frente desta vez, e ela apenas andou ao redor do quintal. Ela então começou a rosnar na janela da sala de estar, e dentro, vimos um homem parado ali e nós entramos, e quando entramos na sala, a pessoa não estava mais. Os palitos de pão estavam novamente jogados no chão. Nós tentamos dormir e eu deixei os palitos de pão no chão. Hannah dormiu em nossa cama, com medo de ficar sozinha.

Na manhã seguinte, Hannah e eu descemos as escadas antes de minha esposa e filho acordarem, os palitos de pão haviam desaparecido, e a cadeira estava virada de ponta-cabeça no meio da cozinha (2 quartos adiante da sala de estar, onde estava). Eu a coloquei de volta onde originalmente estava, e quando minha esposa acordou, eu disse a ela o que havia acontecido e que devíamos nos livrar da cadeira. Por alguma razão, minha esposa ficou furiosa e gritou que era bonita e não havia nada de errado com isso. Isso foi muito estranho, porque minha esposa é igual a mim, se não mais, espiritualmente consciente.

Algumas semanas passaram e nada muito incomum aconteceu. Então, tivemos outra noite estranha, desta vez som altos de batidas e passos em nossa escada, o suficiente para acordar a minha esposa, mas ela não parecia estar minimamente interessada em investigar o que estava acontecendo. Esta é a mesma esposa que lidou com a exibição de fantasmas enforcados no nosso antigo apartamento e batidas no porão.

Finalmente, não pude aguentar, fui secretamente em uma loja pagã de Huron, Ohio, e comprei um pouco de sal negro e água benta. Eu encontrei um feitiço de banimento rudimentar online e o executei enquanto ela estava no trabalho.
Até agora, parece ter parado as atividades, mas não tenho mais fé, então me preocupa que o que fiz não durará muito. A cadeira ainda está na nossa sala de estar, acho que só vou ter que esperar e ver.



06. A mulher na cadeira de balanço
Venni - Estados Unidos
Cadeira assombrada, relatos sobrenaturais, assombração, fantasma, medo
Invocação do Mal (2013)
Eu tinha cerca de 7 a 8 anos de idade. Minha família acabava de se mudar para Highland Park, Califórnia. Da primeira vez que coloquei os pés naquele apartamento, senti-me estranho, como se alguém me observasse. Naquela idade, eu já havia experimentado o paranormal antes, então eu realmente não liguei muito para isso.

Uma noite eu acordei de meu sono; eu estava acostumado a dormir com meu cobertor cobrindo minha cabeça completamente e deixando um pequeno buraco para o nariz e a boca para que eu pudesse respirar porque sempre tive medo do que eu poderia ver. Quando acordei naquela noite, espiei pelo buraco e lá estava ela... esta mulher que brilhava tão forte! Ela tinha esse brilho branco que eu nunca tinha visto antes e nunca mais vi de novo como naquela noite. Ela tinha um longo vestido branco. Ela estava sentada no meio do meu quarto em uma cadeira de balanço, balançando para frente e para trás, lendo um livro. Eu não podia ver seu rosto porque estava de frente para a porta do closet.
Fechei meus olhos bem apertado e comecei a suar profusamente. Não sei por que, mas não gritei. Comecei a rezar pedindo a Deus que enviasse esse espírito para longe. Embora eu tivesse o cobertor sobre minha cabeça, eu ainda podia ver aquele brilho branco, então eu tentei virar as costas para ele. Quando eu fiz isso, acho que devo ter enfurecido o espírito, porque tudo que eu podia ouvir eram passos pesados correndo de um lado para o outro no meu quarto e ruídos altos vindo das paredes, como se estivesse batendo nas paredes.
Eu continuei orando e minha mãe entrou e acendeu as luzes. Ela me perguntou o que estava acontecendo e o que era aquela barulheira. Eu contei a ela o que vi e ela simplesmente me abraçou, ela estava tão acostumada comigo contando-lhe as coisas que eu via e sentia que ela não sabia mais o que me dizer.



05. Minha cadeira assombrada
AngelinaM - Estados Unidos
Esta história começa há cerca de 7 anos. Acabávamos de nos mudar para uma casa nova, que precisava de muito trabalho. Quando uma das paredes foi retirada, estava a cadeira mais incomum e lindamente esculpida dentro; primeiro pensei que era uma moldura para um espelho.

À medida que passavam as semanas, encontramos outro espaço de armazenamento oculto. Removemos as tábuas e encontramos o assento da cadeira e duas pernas.
Agora, se isso não fosse estranho o suficiente, o trabalho do pátio começou. Ao desenterrar as ervas daninhas, encontramos as outras duas pernas da cadeira enterradas, envoltas em plástico que estava se desintegrando. Estas estavam um pouco danificadas e tinham orifícios de vermes nelas, mas ainda estavam em boas condições. Então, agora tínhamos uma cadeira completa.

Meu filho e eu juntamos a cadeira e assim que concluímos, ambos dissemos o mesmo: "Esta cadeira é assombrada". Nós a desmantelamos tão rapidamente como a montamos, colocamos tudo em um grande saco de lixo e deixamos na garagem por anos.

Eu pensei sobre a linda cadeira o tempo todo e quando me mudei, queria montar a cadeira novamente, então eu o fiz. Eu senti por algum motivo que eu era a guardiã dela.
Eu disse a todos que vinham para não se sentarem nela. Mas uma noite meu marido, que zombou do meu aviso, sentou-se na cadeira. Então imediatamente seus olhos ficaram vazios, quase como se ele estivesse em transe. Naquela mesma noite, ele deu entrada no hospital por meses. Ele não sabia em que ano estava ou o que ele fazia para viver. Foi um momento muito assustador, pois os médicos não conseguiam diagnosticar o problema.

Eu soube imediatamente que era essa cadeira. A cadeira foi datada e é do final dos anos 1400. Ela é lindamente esculpida com o rosto de uma mulher. Um dia eu estava assistindo o History Channel e no episódio Castelo do Drácula, lá estava! A mesma exata cadeira.

Então, esta é minha estranha e muito verdadeira história. Eu ainda tenho a cadeira, mas agora repousa seguramente no meu quarto de hóspedes, sem chance de alguém se sentar nela novamente. Oh, mais uma coisa. Às vezes, às vezes, quando você a fotografa, há uma névoa misteriosa. Isso aconteceu algumas vezes quando hóspedes tiraram fotos dela. Bem, é isso.

Cadeira assombrada, relatos sobrenaturais, assombração, fantasma, medo
Cadeira assombrada, relatos sobrenaturais, assombração, fantasma, medo
As fotos reais da cadeira do relato.



04. O rosto na cadeira
YVE72 - Estados Unidos
Esta é a minha primeira publicação no site e não tenho certeza de como classificar essa experiência. Este foi o primeiro evento paranormal de que consigo me lembrar, mesmo que minha mãe tenha me contado que, quando eu era muito mais jovem, eu desenhava e nomeava imagens detalhadas de animais que ela nunca tinha visto e que eu não conhecia naquela idade (mas essa é outra história). Eu quase esqueci sobre este incidente de infância até que eu comecei a registrar essa história, então aqui vai.

Eu estava entre as idades de 5 a 9 anos, em casa, na borda da cozinha de frente para a nossa sala de jantar. As cadeiras da nossa sala de jantar de 1970 possuíam um design esculpido (ou moldado) nas costas e se você olhasse para elas em um sentido abstrato, você poderia discernir um rosto, pelo menos, a sobrancelha, os olhos e um nariz alongado.

Neste dia particular, enquanto examinava a cadeira por volta da enésima vez, um nariz e um conjunto de olhos saíram para fora um pouco. Os olhos se moveram uma ou duas vezes e então o rosto voltou para trás e desapareceu.

Nem preciso dizer que "isso" me assustou muito mas eu não contei para ninguém (meu marido sabe agora). Não sei o que era o rosto. Eu não sei se foi o meu guia espiritual apenas tentando ser bobo ou o quê? Talvez fosse algo sobrenatural tentando me assustar? De qualquer forma, não achei engraçado.



03. A cadeira se moveu
kindly_refrain - Canadá
Cadeira assombrada, relatos sobrenaturais, assombração, fantasma, medo
Imagem via Fredericksburg Hospitality House
Até os 9 anos de idade, vivi em um pequeno bangalô da virada do século com meus pais, dois irmãos e uma irmã. Nossa casa ficava em Haven Road, a poucos quarteirões da esquina da Dufferin Street e Lawrence Avenue West em Toronto, Ontário. Foi por volta de 1966 ou 1967, quando o evento aconteceu.

Meu irmão mais velho, "Sam", e eu compartilhávamos um quarto que chamávamos de "bigaroom" (quarto grande), já que era o maior dos dois quartos no porão. Ele ficava na extremidade do porão, longe da escada.
Em uma noite escura de inverno, quando eu tinha cerca de 6 ou 7 anos, Sam e eu estávamos brincando no bigaroom. Ouvimos um estranho ruído em uma parte distante do porão, era o som de madeira raspando, apenas brevemente, contra o chão de concreto na parte inacabada do porão. Nós dois reconhecemos o som, mas continuamos com o que estávamos fazendo.
Então, ouvimos "doont". Parecia uma perna de cadeira de madeira batendo no concreto, como uma perna de cadeira faria se estivesse no chão desigual do porão. Assumimos que era meu irmão mais novo de 3 anos, Paul, na extremidade do porão, vindo para brincar com a gente. Desde que meu pai armazenou cadeiras de sala de jantar extras perto das escadas, achamos que Paul estava de pé, inadvertidamente, enquanto movia uma delas enquanto decidia se atravessava ou não a parte "assustadora" inacabada do porão.

Nós chamamos ele, "Paul, estamos no bigaroom", mas ele não veio e nem nos respondeu. Ouvimos mais barulho da cadeira de madeira no chão de concreto e gritamos de novo, mas Paul ainda não nos respondeu ou chegou ao quarto. Supondo que ele ainda estava com medo, Sam e eu decidimos ir buscá-lo.
Ao atravessarmos o porão, o som de raspagem e "doont" aumentou. Paul realmente devia estar empurrando a cadeira para fazer tanto barulho! Quando chegamos à entrada da escada, não encontramos Paul, mas ainda ouvimos o barulho. Ele estaria nos pregando uma peça e se escondendo?

A porta no fundo da escada, quando totalmente aberta, esconde uma área de armazenamento atrás dela. Esse deveria ser o lugar onde Paul estava, já que o som vinha de lá. Eu rapidamente puxei a porta para mim para expor Paul, mas ele não estava lá. A cadeira, no entanto, estava!

Agora, em nossa vista, a cadeira chegou a um novo nível de agitação. Sem meios visíveis do que a movimentava, a cadeira estava raspando, balançando, batendo e saltando no chão de concreto com um vigor incrível. Depois de meros segundos de observação da incrível cena, Sam e eu disparamos para a escada e chegamos na sala de estar como um raio. A propósito, meu irmão Paul estava assistindo o jogo de hóquei com meu pai.

Nós nos atropelamos com as palavras tentando contar ao meu pai o que havia acontecido. Ele não confirmou nem negou o que lhe dissemos. Vindo de uma linhagem muquirana, ele apenas nos perguntou calmamente se tínhamos apagado as luzes do porão antes de sairmos. Nós dissemos que não, reiteramos nosso relato e dissemos que estávamos com muito medo de retornar. Ele insistiu que apagássemos as luzes do porão e do bigaroom.
Com medo, nós descemos as escadas. Tudo estava em silêncio. Nós passamos pela área da cadeira e do bigaroom, onde eu tinha que subir em uma cadeira (diferente) para puxar a cordinha que desligava a luz. Assim que clicou, meu irmão correu para as escadas comigo quase caindo da cadeira para alcançá-lo.

Nunca mais tivemos um "problema com a cadeira". Na verdade, aquelas cadeiras vieram a ser minhas quando me tornei adulto, na casa que construí e ainda vivo com minha esposa. Ao longo dos anos, quase todas as cadeiras se quebraram e sucumbiram à fogueira, mas a última sobrevivente ainda está no meu porão e permanece silenciosa.

O único outro relato digno de nota naquela casa ocorreu com meu irmão mais novo, Paul. Quando ele ficou um pouco mais velho e foi promovido para o outro quarto do porão (a pequena sala), ele insistiu que haviam monstros entrando em seu quarto através de uma parede. Ninguém acreditou nele. Minha mãe, em uma tentativa de acalmá-lo com a lógica, perguntou-lhe como eles poderiam passar por paredes sólidas. Ele olhou em volta e decidiu que eles deveriam passar pela única abertura que ele conseguiu encontrar e disse que eles passavam pelas tomadas.

Ele parece ter esquecido sobre tudo isso.

Eu vi, em uma recente viagem a Toronto, que a casa foi derrubada e substituída.



02. A cadeira de balanço
Kat Ryan - Estados Unidos
Minha melhor amiga esperava de quatro meses o seu primeiro filho. Certa noite, ela me convidou para jantar; eu ainda não tinha visto sua nova casa, então eu fui.

Era uma linda e pequena casa de dois quartos, e o mobiliário para bebês que ela escolheu era uma coleção de antiguidades. A madeira de cerejeira escura foi polida até obter um alto brilho, e ela estava muito orgulhosa de suas escolhas.
A cadeira de balanço antiga foi um presente de sua mãe. Ela a encontrou em uma venda de garagem. A pessoa que possuía a cadeira de balanço havia falecido um ano antes, e as crianças mais velhas não queriam mantê-la. Robbie não acreditava em coisas assombradas, então ela aceitou o presente.
Ela foi colocada em um canto da sala de estar, sua superfície esculpida a tornava o centro da sala. Ela correu e sentou-se nela, explicando como ela ninaria seu bebê recém-nascido e olhava para a janela grande. A janela da sala de estar estava de frente para um lindo cânion, e este era o local perfeito para a cadeira.

Nós fomos distraídas pelo timer que nos avisava que a refeição estava pronta, e nós entramos na cozinha para preparar nossos pratos. Acho que fomos por cerca de 10 minutos, e quando entramos novamente na sala de estar, cruzando-a para ir à pequena sala de jantar, percebemos que a cadeira de balanço estava se movendo. Colocamos nossos pratos na pequena mesa da sala de jantar e entramos novamente na sala de estar.
Quando voltamos lá, a cadeira não estava mais balançando. Pensando que isso poderia ter sido causado pela janela da sala, Robbie verificou, mas notou que ela estava fechada. Nós ficamos lá, tentando descobrir como essa grande e pesada cadeira de balanço poderia se mover... sem algum tipo de explicação racional. Nós rimos disso como apenas coincidência, até que os pelos nos meus braços e pescoço começaram a se arrepiar.

Oh-oh... Eu não queria assustar Robbie, mas eu podia ver uma pequena mulher idosa começando a aparecer na cadeira. Ela sorriu para mim e se inclinou para frente, empurrando com as pernas escondidas sob uma saia comprida.

A cadeira de balanço começou a se mover de um lado para o outro, e Robbie disse:

"Mas que..."

Ela me conhece muito bem, e assim que ela olhou em meus olhos, ela sabia que eu estava vendo alguém... na SUA NOVA CADEIRA! Abri a boca para explicar, mas Robbie soltou um grito e correu até a porta da frente, gritando por todo o caminho. Ela abriu a porta e correu para a frente de seu complexo.
Quando a alcancei, Robbie estava chorando. Tentei acalmá-la e dizer-lhe que era apenas uma pequena velha, provavelmente a pequena velha que gostava da cadeira em vida, mas ela não quis ouvir isso.
Robbie implorou-me para chamar sua mãe para vir buscar a cadeira. Resumindo... A cadeira foi removida e Robbie comprou uma nova... nunca mais falamos sobre isso.

Algumas pessoas não conseguem lidar com uma assombração inofensiva, estou certa?



01. O gás na cadeira
Carisa - Canada
Cadeira assombrada, relatos sobrenaturais, assombração, fantasma, medo
Arte por Nando Bonvento
Para começar, esta não é minha primeira experiência com o inexplicável. No entanto, nunca havia tido outra experiência que fosse tão próxima, ou aterrorizante.

Não foi nem um ano atrás que eu estava no meu apartamento sozinha. Eu acredito que estava cozinhando e assistindo TV, quando notei que a cadeira no canto da sala parecia ter o que eu só posso explicar como um gás sentado nela. Nenhuma forma específica, apenas um gás/névoa acomodado nela. Eu admito que me senti imediatamente desconfortável - esse sentimento que você percebe quando você sabe que não está segura - mas continuei fazendo o que estava fazendo, tentando racionalizar, deve ser uma sombra (embora eu soubesse que uma sombra na cadeira para explicar aquilo não fazia o menor sentido).
Finalmente eu decidi que eu moveria o cobertor em cima dela para me tranquilizar de que era apenas uma sombra. Quando fiz isso, o "gás" correu para mim. Estava quente e senti como se estivesse forçando seu caminho pela minha garganta. Lembro-me de tentar fechar minha garganta e cuspir aquilo para fora mas ele continuou entrando em mim. Aquilo mudou minha voz. Eu me senti muito fora pelas próximas horas, como se não fosse eu. Eu também me senti assustada como se eu não estivesse sozinha.

No último ano eu tentei encontrar em inúmeros relatos algo parecido acontecendo com qualquer um e eu saí com as mãos abanando.

Se alguém tiver alguma ideia do que poderia ter acontecido, eu adoraria ouvir.

Vou contar as experiências anteriores a essa experiência específica, mas isso parou depois. A primeira coisa estranha que aconteceu foi o cigarro. Meu namorado na época fumava e havia passado em casa no fim de semana anterior. Ele tinha deixado um cigarro no chão e, apesar de ter visto lá debaixo no final na mesa há alguns dias, não o peguei. Uma manhã seguinte, acordei e em uma prateleira que eu podia ver enquanto estava deitada na minha cama havia este pequeno círculo branco sentado à beira da prateleira (uma prateleira que eu posso acrescentar que não conseguiria alcançar sem uma escada). Curiosa quanto a isso, peguei uma escada e verifiquei. Era o cigarro que estava no chão, perfeitamente colocado na borda da prateleira. Meu namorado não havia me visitado e eu vivia sozinha.

Uma noite, quando meu namorado passou a noite, ele entrou no quarto e eu o fiz fechar a porta (eu gosto dela fechada por causa de experiências passadas inexplicáveis). Ele fechou. De manhã, a porta estava aberta e perguntei se ele havia se levantado durante a noite, ele disse que não; nem eu.

Minha mãe ficou extremamente doente e estressada. Neste ponto, houve muita tristeza em minha vida. Isso foi quando as coisas se tornaram extremas. Fui aos meus pais para o fim de semana e quando cheguei em casa a minha mesa havia sido movida para o meio do apartamento. As janelas também estavam abertas sendo que eu as deixei fechadas. Quero dizer, neste momento, eu estava começando a me perguntar se alguém estava entrando no meu apartamento e ferrando comigo.


Imagem por maxpixel