Religiões: Vodu

|
voodoo, ritual do rio
Em 64 d.C., um grande incêndio irrompeu em Roma por seis dias e devastou grande parte da cidade. De acordo com o escritor Tácito, “Nero firmou a culpa e infligiu as torturas mais requintadas em uma classe odiada por suas abominações, chamados de cristãos pela população”. As “abominações” cometidas pelos primeiros cristãos seriam canibalismo e incesto, baseados nos rumores que circulavam em Roma naquela época, que resultaram de um mal-entendido sobre a Eucaristia.

Este episódio na história da Igreja Primitiva mostra quão facilmente uma religião, especialmente uma relativamente secreta, pode ser mal-entendida e deturpada. Um caso semelhante talvez possa ser visto na religião conhecida como Vodu (também conhecida como Vudu, Voodoo, Vodum ou Vodun). Para muitos, a palavra "Vodu" evoca imagens de bonecas mágicas com alfinetes presos a elas para infligir dor aos inimigos e à ressurreição dos mortos como zumbis. Essas imagens são o resultado da deturpação do Vodu pela cultura popular, e não representam com precisão o Vodu como entendido por seus praticantes.

Vodu, voodoo, voduísmo, vodum
A maioria das pessoas associa o Vodu a bonecos cheios de alfinetes, criados para infligir dor a um indivíduo amaldiçoado. (wikimedia commons)

Vodu refere-se a "toda uma variedade de elementos culturais: credos e práticas pessoais, incluindo um sistema elaborado de práticas médicas populares; um sistema de ética transmitido através de gerações [incluindo] provérbios, histórias, canções e folclore... Vodu é mais do que crença; é um modo de vida", escreveu Leslie Desmangles, professora haitiana do Trinity College de Hartford em "A Enciclopédia do Paranormal" (Prometheus Books, 1996).

"Vodu ensina a crença em um ser supremo chamado Bondye, um deus criador incognoscível e não envolvido", relata o Live Science. “Os crentes do Vodu adoram muitos espíritos (chamados Loa ou Lwa), cada um dos quais é responsável por um domínio específico ou parte da vida. Então, por exemplo, se você é um fazendeiro, pode dar louvores e ofertas ao espírito da agricultura; se você está sofrendo de amor não correspondido, você elogiaria ou deixaria ofertas para Erzulie Freda, o espírito do amor e assim por diante. Além de ajudar (ou impedir) os assuntos humanos, também podem se manifestar possuindo os corpos de seus adoradores. Seguidores do Vodu também acreditam em uma energia universal e uma alma que pode deixar o corpo durante os sonhos e na possessão espiritual.”

Vodu, voodoo, voduísmo, vodum
Parafernália Vodu. (hiveminer)

Embora as origens exatas do Vodu sejam desconhecidas, é geralmente aceito que essa religião tenha suas raízes na África Ocidental. O Benin contemporâneo é considerado como o local de nascimento desta religião, e o próprio nome "Vodu" significa "espírito" na língua Fon local. Tem sido sugerido que o Vodu na África Ocidental evoluiu a partir das antigas tradições de adoração e animismo ancestral. As formas de Vodu praticadas hoje, no entanto, são os resultados de um dos episódios mais desumanos da história moderna — o tráfico de escravos africanos que ocorreu entre os séculos XVI e XIX.

Vodu, voodoo, voduísmo, vodum
Zangbeto, um guardião Vodu da paz sob a crença religiosa Iorubá. Os Zangbetos tradicionalmente servem como um serviço policial informal para impor a paz no Benim rural. (commons)

Quando escravos africanos foram trazidos para as Américas para trabalhar nas plantações, eles trouxeram o Vodu com eles. Seus mestres brancos, no entanto, tinham outros planos em relação à prática religiosa de seus escravos. Uma lei de 1685, por exemplo, proibia a prática de religiões africanas e exigia que todos os mestres cristianizassem seus escravos no prazo de oito dias de sua chegada ao Haiti. Embora os escravos aceitassem o catolicismo romano, eles também não desistiam de suas crenças tradicionais. Em vez disso, o antigo e o novo foram sincretizados, produzindo alguns resultados únicos. Muitos dos santos católicos foram identificados com os tradicionais Loas do Vodu (espíritos) ou tiveram um duplo significado para os praticantes do Vodu. Por exemplo, no Vodu haitiano, São Pedro é reconhecido como Papa Legba, o porteiro do mundo dos espíritos, enquanto São Patrício é associado a Dumballah, a serpente Loa.

Embora os escravos africanos tenham sido trazidos para o Haiti e Nova Orleães na mesma época, ou seja, na década de 1720, o desenvolvimento da prática do Vodu em cada área é bem diferente. No Haiti, o Vodu se tornou algo que deu força e sustentou os escravos através de suas dificuldades e sofrimentos. Entre 1791 e 1804, uma série de revoltas de escravos inspiradas pela prática do Vodu culminou na expulsão dos franceses do Haiti. Os colonos que sobreviveram fugiram para Nova Orleães, alguns acompanhados por seus escravos francófonos que eram praticantes de Vodu. É a partir dessas novas chegadas que o Vodu começou a crescer em Nova Orleães. Embora o Vodu fosse praticado naquela parte dos Estados Unidos antes de 1791, não era uma vertente tão forte quanto no Haiti, e foi brutalmente reprimido toda vez que emergiu. Foi somente no século XIX que as práticas de Vodu em Nova Orleães foram codificadas pela enigmática Marie Laveau.

Vodu, voodoo, voduísmo, vodum
Marie Laveau | via Pinterest

Desde então, o Vodu se espalhou para outras nações africanas, Caribe, assim como para as Américas do Norte e do Sul. No Benim e no Haiti, o Vodu é agora oficialmente reconhecido como religião. No entanto, o Vodu ainda é uma religião mal compreendida devido ao seu retrato impreciso por parte da mídia. Em vez de associar essa religião a zumbis e bonecos de Vodu, talvez devêssemos dedicar um tempo para entender melhor o Vodu e encará-lo como um modo de vida ou um conjunto de princípios orientadores mantidos por seus crentes.

Marie Laveau (10 de setembro de 1782 – 16 de junho de 1881)

Ela foi uma das maiores rainhas do Vodu em Nova Orleães. Sua fama é contada até a atualidade… filha de Charles Leaveu, um agricultor rico, branco. Sua mãe, uma mulata livre chamada Marguerite Henry, praticante de magia croctaw e Vodu caribenho.

Marie ainda foi aluna do Dr. Jhon, um senegales famoso por fabricar gris gris (uma espécie de amuleto que se destina a algo especial, como sorte, sucesso, amor…), mas Marie ficou famosa por seus gris gris, que eram feitos de modo especial, tecidos e couro cortados em tamanhos específicos e com escrituras feitas com óleo a base de sangue de dragão (Dracaena draco).

Aos 25 anos casou-se com Jacques Paris na Catedral de St. Louis, na cidade de seu nascimento, Nova Orleães. Um ano após o casamento, Jacques sumiu misteriosamente, como a fumaça de um cigarro que se desfaz no ar. Marie Laveau esperou por seu retorno durante um ano, quando percebeu que ele não voltaria, casa-se novamente, agora com o Capitão Christophe Glapion — uma figura importante na guerra travada em 1815—, assim, Marie Laveau se tornou Marie Catherine Glapion Laveau, mãe de 15 filhos.

Existem muitas lendas sobre Marie Laveau, mas uma coisa podemos afirmar: ela era uma das pessoas mais bem informadas de Nova Orleães em sua época, por manter um salão de cabeleireiros e segundo algumas lendas, por ela possuir um bordel, era fácil ter uma rede de informantes, Marie descobria tudo o que se passava nas casas dos senhorios brancos, isso porque boa parte da comunidade negra sentia medo dessa mulher tão poderosa que era capaz de curar e envenenar.

Durante sua vida, Marie além de cabeleireira, trabalhou como enfermeira, por possuir um grande conhecimento de ervas medicinais indígenas, foi chamada até o Globe Hall em 1853, ali, lutou contra a peste que assolava o povo com a febre. Marie também era conhecida por ser uma mulher caridosa. Na casa em que nasceu e morreu, sempre havia lugar para quem batesse em sua porta pedindo abrigo ou comida.

Quando Marie Laveau morreu, o jornal Daily Picayune noticiou dizendo “morreu em Nova Orleães uma mulher com uma historia fantástica de quase um século”. Mas ninguém sabe ao certo como Marie Laveau viveu tanto tempo; existem algumas suposições, como por exemplo: uma de suas filhas assumiu o nome “Marie Laveau” após a morte de sua mãe, como também existe uma história mais fantástica, do gênero em que ela possuía poderes de manter a juventude de modo que o relógio do tempo corria devagar para ela — ou não corria, tais comentários, ou melhor, boatos, circulavam a cidade porque a após a morte de Marie, ela era comumente vista caminhando pela cidade, como se nada houvesse ocorrido.

Marie faleceu em 15 de junho de 1881, aos 86 anos de idade (aparentemente). Ao visitar sua tumba, as pessoas riscam três X (xxx) fazendo um desejo, para que ela o realize.


Resumindo o Vodu como religião

Vodu, voodoo, voduísmo, vodum
Imagem: Aleksandar Todorovic / Shutterstock

Entendendo

Vodu é uma religião sincrética que combina o catolicismo romano e a religião africana nativa, particularmente a religião da região do Daomé, na África Ocidental (a nação moderna do Benim).

O Vodu é praticado principalmente no Haiti, em Nova Orleães e em outros locais do Caribe.

O Vodu começou quando os escravos africanos trouxeram consigo suas tradições nativas quando foram forçosamente transportados para o novo mundo. No entanto, eles geralmente eram proibidos de praticar sua religião. Para contornar essas restrições, os escravos começaram a equiparar seus deuses aos santos católicos. Eles também realizaram seus rituais usando os itens e imagens da Igreja Católica.

Se um praticante de Vodu se considera cristão, ele geralmente professa ser um Cristão católico. Muitos praticantes de Vodu também se consideram católicos. Alguns vêem os santos e espíritos como sendo um e o mesmo. Outros ainda sustentam que os apetrechos católicos são principalmente para a aparência.

Equívocos sobre o Vodu

A cultura popular tem associado fortemente o Vodu à adoração do diabo, tortura, canibalismo e trabalhos mágicos malévolos. Este é em grande parte produto de Hollywood juntamente com deturpações históricas e mal-entendidos da fé.

As sementes desses equívocos começaram muito antes do que qualquer coisa vista nos filmes. Um incidente bem conhecido em 1791 em Bois Caiman marcou um momento crucial nas revoltas de escravos haitianos. Os detalhes exatos e a intenção são uma questão de debate histórico.

Acredita-se que as testemunhas viram uma cerimônia de Vodu e pensaram que os participantes estavam fazendo algum tipo de pacto com o Diabo para frustrar seus captores. Algumas pessoas — até mesmo em 2010, após o terremoto devastador — afirmaram que esse pacto amaldiçoou o povo haitiano.

Nas áreas influenciadas pelo Vodu, como o Haiti, a escravidão era extremamente violenta e brutal; as revoltas dos escravos eram igualmente violentas. Tudo isso levou os colonos brancos a associarem a religião à violência e também ajudou a alimentar muitos rumores infundados sobre os voduístas.

Crenças Básicas: Bondye, Loa e Vilokan

Vodu é uma religião monoteísta. Os seguidores do Vodu — conhecidos como Voduístas — acreditam em uma única divindade suprema que pode ser equiparada ao Deus católico. Esta divindade é conhecida como Bondye, "o bom deus".

Os voduístas também aceitam a existência de seres menores, que eles chamam de loa ou lwa. Estes estão mais intimamente envolvidos na vida cotidiana do que Bondye, que é uma figura remota. Os loas são divididos em três famílias: Rada, Petro e Ghede.

A relação entre humanos e loas é recíproca. Os crentes fornecem alimentos e outros itens que atraem o Loa em troca de sua assistência. Os loas são frequentemente convidados a possuir um crente durante o ritual para que a comunidade possa interagir diretamente com eles.

Vilokan é a casa do loa, assim como dos falecidos. É comumente descrito como uma ilha submersa e florestada, guardada pelo loa Legba, que deve ser apaziguado antes que os praticantes possam falar com qualquer outro residente de Vilokan.

Rituais e Práticas

Não há dogma padronizado dentro do Vodu. Dois templos dentro da mesma cidade podem ensinar mitologias diferentes e apelar para o loa de maneiras diferentes.

Como tal, as informações fornecidas em visões gerais do Vodu (como esta) não podem sempre refletir as crenças de todos os crentes. Por exemplo, às vezes os loas estão associados a diferentes famílias, santos católicos ou veves. Algumas variações comuns estão incluídas aqui:

Sacrifício de Animais - Uma variedade de animais pode ser morta durante um ritual de Vodu, dependendo do loa a ser tratado. Ele fornece sustento espiritual para o loa, enquanto a carne do animal é cozida e comida pelos participantes.

Rituais de Veves - geralmente envolvem o desenho de certos símbolos conhecidos como veves com fubá ou outro pó. Cada loa tem seu próprio símbolo e alguns possuem vários símbolos associados a eles.

Bonecos de Vodu - A percepção comum dos voduístas que picam os bonecos de Vodu não reflete o tradicional Vodu. No entanto, os voduístas dedicam bonecos a determinados loa e os usam para atrair a influência de uma loa.


E aí, você já conhecia o Voduísmo ou pensava que "Vodu é pra jacú?"


Vodu, voodoo, voduísmo, vodum
O Pica-pau, episódio 120 (Vodu é pra Jacú). Walter Lantz


ritual do banho, picspics