10 Casos de encontros imediatos do sexto grau

|
O grande astrônomo e ufólogo J. Allen Hynek desenvolveu uma escala generalizada para definir e classificar relatos de encontros imediatos na área da ufologia. Você provavelmente já ouviu falar sobre ela. A escala varia de um encontro imediato do primeiro grau, até o sétimo (sendo que a escala original de Allen ia apenas até o 3º grau, sendo acrescentados os demais graus posteriormente). Como o título deste artigo afirma, o que será listado à seguir serão encontros do 6º grau, classificação que envolve morte ou lesão física de um ser humano ou animal.


10.

Bombardeiro B-25 carregando destroços do OVNI da Ilha Maury

Em 1º de agosto de 1947, um bombardeiro B-25 Mitchell caiu no estado de Washington, alegadamente transportando destroços de um OVNI, que é suspeito de ter causado o incêndio que derrubou o B-25, matando ambos os pilotos. Este foi o primeiro avião perdido pela recém-formada Força Aérea dos Estados Unidos, por isso o caso foi amplamente divulgado e investigado minuciosamente. A história realmente começou 10 dias antes, no dia 21 de julho, com um avistamento de OVNI na Ilha Maury, também em Washington, no qual um homem ficou ferido e seu cachorro morto por destroços incandescentes de um OVNI em forma de rosca, aparentemente quebrado — um dos seis avistados. Esses destroços seriam o que o B-25 acidentado estava supostamente carregando.
Os pilotos falecidos do B-25 eram oficiais da inteligência e participaram da investigação da Força Aérea no incidente da Ilha Maury. Este foi um momento muito estranho e movimentado para a recém-formada Força Aérea, já que o incidente de Roswell havia acontecido a menos de 1 mês, e o caso de Kenneth Arnold aconteceu apenas três dias após o da Ilha Maury.

(Créditos da imagem: US Air Force)




09.

O encontro e desaparecimento de Valentich

O que deve ser um dos mais perturbadores e misteriosos desaparecimentos de piloto e aeronave ocorreu em 21 de outubro de 1978, quando um jovem piloto australiano relatou ter tido um encontro com um OVNI agressivo. Não foi encontrado nenhum rastro de Frederick Valentich, o piloto de 20 anos que desapareceu em pleno ar depois de ser perseguido por um objeto voador não identificado.
Frederick estava em um vôo de 200 quilômetros em seu Cessna 182 monomotor e estava fora da costa do estreito de Bass quando ele contatou a torre de Melbourne e informou que estava sendo atormentado por uma aeronave desconhecida 300 metros acima. Ele descreveu o OVNI como tendo quatro luzes brilhantes. Os controladores de Melbourne disseram que suas últimas palavras gravadas foram: "Não é uma aeronave. . ." seguido por estranhos sons metálicos e depois apenas silêncio.
A Força Aérea Australiana afirmou ter recebido 11 relatórios diferentes sobre OVNIs ao longo da costa do Estreito de Bass naquele sábado à noite, mas os funcionários do Departamento Australiano de Transportes eram céticos. Alguns teorizaram que Frederick ficou desorientado quando viu suas próprias luzes refletidas na superfície da água enquanto voava de cabeça para baixo. O pai de Frederick, Guio Valentich, disse: "O fato de que eles não encontraram nenhum vestígio dele realmente confirma o fato de que OVNIs poderiam estar lá."



08.

O incidente ufológico de Mantell

Em 7 de janeiro de 1948, por volta das 13h30, o Capitão Thomas F. Mantell, da Guarda Aérea Nacional do Kentucky, estava em seu F-51 voando em direção à Base da Força Aérea Standiford, no Kentucky - EUA, juntamente com outros três aviões da Guarda. Ao mesmo tempo, a Polícia do Estado do Kentucky recebia queixas do público sobre uma aeronave enorme e redonda que não conseguiam identificar, voando sobre a cidade de Mansville. Não demorou muito para que os relatórios incluíssem as cidades de Irvington e Owensboro, e a torre de controle de tráfego aéreo da Base da Força Aérea de Godman teve um avistamento claro da aeronave. Ela descreveu o objeto como sendo "grande, redondo, com uma cor esbranquiçada, uma luz vermelha em baixo e movia-se lentamente para o sul."
Pouco mais de uma hora depois, o grupo de vôo de Mantell foi questionado se eles possuíam combustível suficiente para investigar a aeronave não-identificada. Depois de comunicar com a torre que possuíam, um dos pilotos obteve permissão para continuar em seu curso designado, enquanto Mantell e os outros dois obtiveram a permissão da torre de Godman e partiram na direção da aeronave desconhecida. O seguinte trecho foi retirado das transcrições originais:
O objeto está diretamente à frente e acima de mim agora, movendo-se a cerca de metade da minha velocidade. Parece ser um objeto metálico ou possivelmente o reflexo do sol vindo de um objeto metálico, e é de um tamanho tremendo. Ainda estou subindo. Estou tentando me aproximar para ter uma visão melhor.
Essas foram as últimas palavras do capitão Mantell.

(Imagem:Reprodução/thisdayinaviation)



07.

O incidente de Falcon Lake

Ao meio dia de 20 de maio de 1967, Stephen Michalak, um mecânico industrial de Winnipeg, no Canadá, estava prospectando na área de Falcon Lake, no Manitoba, quando viu duas aeronaves estranhas. Um estava pairando no ar, mas se afastou a uma velocidade fantástica. O outro OVNI pousou e estava a apenas 50 metros de distância, então ele começou a ir em direção a ele, gritando e perguntando se eles precisavam de ajuda para consertar sua "máquina louca" enquanto se aproximava. Ele perguntou em todas as seis línguas em que ele era fluente, mas não obteve resposta alguma.
Quando ele se aproximou, Stephen percebeu um painel aberto no lado da nave, mas não conseguiu enxergar dentro devido à luz azul-amarelada brilhante que estava emitindo. Ele tentou entrar em contato com os pilotos novamente quando se aproximou mais da nave, mas naquele momento, o painel se fechou, e ele ouviu sons agudos quando a nave começou a girar no sentido anti-horário. Então, começou a levantar do chão, e por algum motivo desconhecido, Stephen estendeu a mão esquerda (que estava de luva) e tocou no objeto, e para o seu espanto, sua luva imediatamente pegou fogo. Naquele momento, o painel voltou a abrir, e uma explosão de calor intenso jogou-o para trás no chão, onde ele teve que rolar enquanto tirava sua camisa em chamas.
Meio-nu, ferido e assustado, Stephen Michalak recolheu todas as suas coisas e, felizmente, pegou um ônibus, do qual foi direto para o hospital. O caso de Falcon Lake foi amplamente investigado pelas autoridades canadenses, Comissão Condon, vários grupos civis de investigação de OVNIs dos Estados Unidos e Canadá, pela Polícia Real Montada do Canadá e pelo Departamento de Defesa Nacional do Canadá, mas continua sem solução.



06.

Lady, a primeira mutilação animal

Em 7 de setembro de 1967, "Snippy"(cujo nome verdadeiro era Lady), uma égua Appaloosa de três anos, não conseguiu voltar para seu pasto para a bebida habitual da manhã na fazenda de Harry King, 32 quilômetros à nordeste de Alamosa, Colorado - EUA. Dois dias depois, seu corpo mutilado foi encontrado no pasto. As partes do animal haviam sido cortadas de forma limpa e cirúrgica, e nenhuma trilha de qualquer tipo foi encontrada perto do corpo. No entanto, haviam algumas marcas estranhas descobertas na cena do crime.
Seis indentações formaram um círculo de 1 metro de diâmetro, que fez muitas pessoas acreditarem ser as marcas do trem de pouso de algum tipo de aeronave. Na autópsia de Lady, foi constatado que seu coração e seu cérebro estavam desaparecidos, e um estranho odor de formaldeído vinha de sua carcaça. Sua dona, Nellie Lewis e o dono do rancho, Harry King, foram ao local onde a égua foi encontrada e notaram um odor peculiar parecido com incenso e um arbusto que parecia ter sido derrubado por uma onda de calor vinda de cima. Nellie descobriu mais tarde que as botas que usou para ir ao local ficou radioativa, o que explicou porque o pelo que ela pegou no local queimou sua mão.
Nellie Lewis entrou em contato com o Serviço Florestal dos Estados Unidos e o patrulheiro Duane Martin relatou detectar uma radioatividade superior ao normal em um raio cerca de dois quarteirões ao redor do corpo de Lady. Este evento ainda encontra-se sem explicação e expôs o fenômeno da mutilação animal nos Estados Unidos.



05.

A Abdução de Judy Doraty

Quatro mulheres — Judy Doraty, sua filha Cindy, sua mãe e sua cunhada — teriam a mais horrível experiência de suas vidas, juntas, em maio de 1973. Uma noite naquele mês, elas terminaram de jogar bingo em Houston - EUA, e estavam retornando para a cidade natal de Judy, Cidade do Texas, pelo caminho de Alto Loma, para que elas pudessem deixar em casa seu cunhado e irmã. Depois de fazer isso e voltar para a estrada, elas avistaram uma luz estranha pairando no céu escuro.
O que elas estavam vendo era tão interessante que pararam e saíram do carro para ter uma melhor visão. Estavam tão hipnotizadas pela luz que a observaram com total admiração e descrença até ela desaparecer. Elas então voltaram ao carro para terminar sua viagem para casa. Pouco tempo depois, Judy começou a experimentar terríveis dores de cabeça e ataques de ansiedade, e depois de consultar vários médicos, os quais todos disseram que estava bem, ela finalmente foi encaminhada para o famoso hipnotizador e ufólogo Dr. Leo Sprinkle. Sprinkle e sua experiência anterior com o fenômeno OVNI levou-o a acreditar que a hipnose era a maneira mais eficaz de aliviar pessoas como Judy de seu trauma emocional. Olhando para trás, não há dúvidas de que Leo Sprinkle suspeitava de um cenário de abdução.
Sob a hipnose, Judy revelou que ela havia sido abduzida e levada a bordo de uma nave espacial alienígena. Indo em detalhes, Judy descreveu como ela havia testemunhado uma vaca sendo levada para a aeronave e sendo sistematicamente mutilada por dois pequenos seres enquanto ela assistia horrorizada. Durante a regressão hipnótica, ela também falou do sentimento desconcertante de existir em dois lugares ao mesmo tempo, pois, ela afiormou, que ainda estava de pé ao lado de seu carro depois que a luz estranha no céu se afastou, por isso não conseguia entender o porque de ela lembrar dessa estranha experiência. Linda Moulton-Howe incluiu filmagens dessa regressão em seu premiado documentário sobre o fenômeno de mutilação animal intitulado A Strange Harvest (Uma Colheita Estranha).



04.

NTSB afirma que OVNI causou acidente fatal de Cessna

O National Transportation Safety Board (NTSB) determinou que um Cessna monomotor que caiu em Big Bateau Bay, Alabama - EUA, em 23 de outubro de 2002, voou direto para algo, ou algo voou para ele. A aeronave estava no radar a 900 metros acima do Delta do rio Tensaw logo após a decolagem, e então algo realmente ruim aconteceu. O relatório muito incomum do NTSB sugere fortemente que a substância vermelha não-identificada encontrada no nariz gravemente danificado e parte inferior dianteira do Cessna procede de outro objeto em que o Cessna colidiu no ar.
O incidente matou o piloto de 54 anos, Thomas J. Preziose, de Mobile, Alabama, apenas alguns minutos depois de ter decolado do aeroporto do centro de Mobile. De acordo com o relatório, o Cessna passou por uma inspeção da FAA apenas alguns dias antes do acidente, então, o porque da aeronave desaparecer do radar da Torre de Controle de Mobile pouco depois de decolar permanece um mistério. O piloto estava voando sob contrato para a DHL Worldwide Express e partia destino a Montgomery, Alabama, com uma carga útil de 190 kg de documentos comerciais.



03.

O Incidente da Ilha Maury

Em 1947, haviam muitos perigos nas águas da Ilha Maury, no estado de Washington. Haviam tantos, de fato, que precisavam de barcos para patrulhar as águas em busca de troncos que haviam se soltado de uma madeireira. Na época, Harold Dahl trabalhou em um desses barcos, e seu supervisor em terra era Fred Crisman. Em 21 de junho de 1947, Dahl transmitiu uma mensagem por rádio para Crisman para informá-lo de que ele estava patrulhado com três a bordo: Ele, seu filho e seu cachorro. Por volta das 2 da manhã, o barco estava perto da costa leste da Ilha Maury, quando Dahl olhou para cima para ver seis objetos em forma de rosquinha pairando cerca de 600 metros acima de seu navio.
O objeto voador parecia ser feito de um metal altamente reflexivo e tinha cerca de 30 metros de diâmetro, enquanto os "furos de rosca" possuíam de cerca de 8 metros de diâmetro. Dahl também relatou ter visto orificios em torno do objeto e o que parecia uma janela de observação. Cinco das seis aeronaves não-identificadas mantiveram formação em torno de uma em particular, a qual aparentemente movia-se mais lentamente a perdia altitude. Ela então ficou pairando no lugar a cerca de 150 metros da água. Com medo de que a aeronave batesse em seu barco, Dahl mudou o rumo de navegação da embarcação em direção à costa, para sair do caminho. Uma vez que estavam na praia, Dahl agarrou sua câmera e tirou várias fotos da cena. O que ocorreu depois só pode ser chamado de "operação de reparo no vôo".
A aeronave danificada permaneceu em posição por vários minutos, com os outros cinco circulando acima. Então, uma das naves saiu da formação para entrar em contato com a danificada. As duas aeronaves ficaram ligadas até que Dahl ouviu um baque, e de repente, milhares de pedaços de detritos caíram do centro da aeronave danificada. Embora a maioria dos detritos tenham caído na água, alguns caíram na praia, os quais foram posteriormente coletados pela Força Aérea. Dahl pegou alguns pedaços e viu que era um metal leve e esbranquiçado. Além disso, o OVNI lançou outra quantidade muito maior de uma substância metálica de cor preta que parecia lava e agia como uma escória quente e fumegante quando atingia a água. Os homens foram forçados a se cobrir quando o metal preto começou a chover sobre eles, atingindo o filho de Dahl, queimando-o, quebrando o seu braço e matando seu cachorro.
Este caso nunca foi resolvido, e após o ocorrido, Harold Dahl tornou-se a primeira pessoa a alegar ter sido assediada pelos infames "homens de preto".



02.

O Incidente Cash-Landrum

Em Piney Woods, no Texas - EUA, em uma fria noite de dezembro de 1980, duas mulheres e um garotinho encontrariam uma das mais estranhas aeronaves não-identificadas jamais reportadas. Todos os três sofreram não apenas ferimentos físicos graves, mas também trauma emocional de longo prazo. No final, o incidente tirou até mesmo uma vida.
Betty Cash, de 51 anos, estava atrás do volante em direção à Market Road 1485 no Texas, em 29 de dezembro de 1980. Com ela estava uma amiga, Vickie Landrum, de 57 anos, e Colby Landrum, seu neto de sete anos de idade. Elas estavam tentando encontrar uma casa de bingo, mas não tiveram sorte, já que a maioria estava fechada para os feriados. Elas pararam para uma refeição e depois seguiram com seus negócios. Logo, notaram uma luz distante. Em poucos minutos, a luz distante se aproximou e revelou-se um objeto voador incandescente. Parecia estar em apuros, mal conseguindo manter-se acima do topo dos pinheiros altos.
O trio primeiro pensou se tratar de um avião ou helicóptero de uma das bases militares próximas, foi então que avistaram, um enorme objeto em forma de diamante que estava pairando acima da estrada em seu caminho! Em intervalos regulares, o objeto despejava uma coluna de chamas laranja infernal, escaldando a superfície da estrada (a qual seria misteriosamente e completamente repavimentada não muito tempo depois). Mais tarde, Vickie descreveria a aeronave como "um diamante de fogo". Ela também declarou publicamente que pensava que "era o fim dos tempos".
O menino estava com medo, então a avó o levou de volta ao carro enquanto Betty ficou observando do lado de fora. Betty ficou fascinada pela visão fantástica à sua frente. Enquanto ela estava ali observando, o céu de repente se encheu de helicópteros. Ela disse: "Eles pareciam se precipitar de todas as direções [. . . ] como se eles estivessem tentando cercar o objeto." A aeronave aterrorizante então começou a subir e depois a seguir rumo para sudoeste, com os helicópteros no encalço.
Quando Betty chegou ao carro para abrir a porta, a maçaneta estava tão quente que quase não podia tocá-la. Ela queimou sua mão entrando e imediatamente ligou o aparelho de ar condicionado para esfriar o carro, que estava abafado de tão quente. Depois que o OVNI partiu, Betty deu partida no carro e dirigiu-se para casa, esperando nunca mais ver nada como aquilo novamente, mas alguns quilômetros depois, lá estava o OVNI. Desta vez, cercado por aeronaves terrestres, as quais o iluminavam com holofotes. Eles contaram 23 helicópteros. E os identificaram como sendo helicópteros militares de duplo rotor, Chinooks, além de vários outros helicópteros menores Bell Huey.
Depois de chegarem em casa vivos, os três ficaram muito doentes. Betty tinha bolhas no pescoço e na cabeça, e em pouco tempo, seus olhos estavam inchados. Todos também estavam nauseados. Na manhã seguinte, Betty estava quase em coma. Colby e Vickie sofreram sintomas semelhantes, mas não tão severos. Betty logo daria entrada em um hospital, onde ficou 15 dias sendo tratada como vítima de radiação. Seus olhos incharam tanto que ela não conseguiu enxergar nada por uma semana, e seu cabelo começou a cair — ambos sinais clássicos de envenenamento por radiação.
Betty Cash morreu em 29 de dezembro de 1998, ironicamente 18 anos após o evento. Vickie Landrum morreu em 12 de setembro de 2007, sobrevivendo 9 anos a mais que sua amiga, apesar de ter seis anos a mais do que Betty. Colby Landrum está vivo e bem, morando no Texas. No final, eles entraram com um processo, mas acabaram perdendo, uma vez que não conseguiram provar que o governo estava envolvido.
(Arte:C.Lambright)



01.

O Incidente de Dyatlov Pass

O Incidente de Dyatlov Pass ocorreu em algum momento em torno de 2 ou 3 de fevereiro de 1959, quando um grupo de nove esquiadores entraram nos Montes Urais na Rússia seguindo em direção a uma montanha chamada Otorten, que na língua local significa: "Não vá lá". O destino específico do grupo era conhecido localmente como "A Montanha dos Mortos", então, desde o início, toda a viagem parecia terrível na melhor das hipóteses. Todos do grupo logo seriam encontrados gravemente feridos em uma variedade de maneiras bizarras.
Quatro dias depois, quando os militares russos encontraram o acampamento abandonado, ficaram completamente chocados com o que descobriram. Por exemplo, quando eles inspecionaram a tenda do grupo, eles descobriram que eles não só haviam fugido com grande pressa sem levar nada com eles, como sapatos ou casacos... eles realmente saíram correndo da tenda, como se algo tivesse entrado e estivesse atrás deles.
Quando os corpos foram submetidos a autópsia, os médicos ficaram ainda mais chocados do que os militares pelas feridas que essas nove pessoas apresentavam. Alguns deles pareciam ter envelhecido ao ponto de serem mumificados. Outros sofreram lesões normalmente encontradas apenas em acidentes automobilísticos e aeronáuticos, onde o trauma extremo no corpo humano ocorre devido a forças violentas. Não é preciso nem dizer que os russos mantiveram sigilo sobre o assunto por um longo tempo.
Orbes laranjas não-identificadas foram relatados na mesma área na noite anterior em que o grupo de esquiadores encontrou seu destino final, o que deu margem à especulação de ter se tratado de um terrível encontro do sexto grau. Além disso, uma tribo local com raízes antigas nos Urais chamada Mansi tem uma antiga lenda em que nove pessoas saem na mesma rota e nunca retornam vivas.

(Imagem:Reprodução/Theunredacted)



Fonte:  Listverse