10 Rituais indígenas bizarros

|
Reprodução:Bol.
Nessa postagem, irei falar sobre 10 rituais em diferentes culturas indígenas. Todos eles, chegam a ser extremamente bizarros (isso no meu ponto de vista, cada um tem o seu, e o grau de bizarrice pode variar bastante). Mas vale lembrar que cada cultura tem seus costumes, religiões e afins. Portanto, confira abaixo, a lista com os respectivos rituais:



10.

Comer um pedaço do próprio pênis

Reprodução/Wellcomeimages
Aborígenes australianos levam meninos para retirar o prepúcio do pênis sem anestesia, em seguida o garoto precisa se ajoelhar sobre um escudo próximo a uma fogueira. Além disso, ele tem que comer a própria pele crua e sem mastigar. Quando a circuncisão termina de cicatrizar, eles sofrem outra “cirurgia”, nessa, o órgão genital é cortado na parte inferior, próximo aos testículos. O sangue que escorre, deverá cair em uma fogueira, isso significa purificação. Depois disso o garoto é obrigado a se abaixar e urinar como uma mulher.



09.

Wysoccan; Mais forte que LSD

Os meninos da tribo algonquinos são isolados do restante da tribo e enjaulados. Eles recebem uma substância chamada wysoccan, que é quase cem vezes mais alucinógena que o LSD. O ritual consiste em fazer com os garotos esqueçam as lembranças da infância e então se tornem homens. O wysoccan é tão forte que muitos meninos perdem a memória da família e até da própria identidade, outros perdem até a fala. Quando alguns garotos ainda lembram de coisas da infância eles são levados novamente para o ritual.



08.

Veneno nos olhos 

Reprodução:Wikipedia
Os Matis, da floresta amazônica brasileira, realizam testes com os garotos da tribo para saber se estão habilitados a participar das caçadas com os homens. Os meninos recebem veneno direto no olho, segundo a tradição é para melhorar a visão e aguçar os sentidos. Em seguida são espancados e chicoteados e recebem um poderoso veneno de um sapo da região. Acredita-se que o veneno aumenta a força e a resistência que só acontece depois do garoto sofrer muitos enjoos, vômitos e diarreia.



07.

Serviço de chão

Os índios da tribo kalankó praticam um ritual conhecido como "serviço de chão" ou "mesa do ajucá", cuja finalidade é curar uma pessoa doente, recorrendo a energias ditas mágicas. Um pano quadrado é colocado no chão com fumo e alho em cada ponta.  No começo do ritual os que se encontram presentes dão três voltas ao redor do pano, fumando um campiô, uma espécie de cachimbo tradicional dos kalankó e cantando. O doente é encruzado por três vezes, com o campiô, maracá e alho. depois da segunda ou terceira música o cantor diz receber uma energia encantada que faz com que ele receite remédios ou dê conselhos.



06.

Salto com cipó

O salto dos índios Vanuatu é um ritual para mostrar masculinidade e impressionar as mulheres e os deuses. Os garotos da tribo, com cerca de 7 ou 8 anos, tem que saltar de uma torre de 30 metros de altura, com cipós amarrados nos tornozelos, a velocidade chega a 72 quilômetros por hora. O salto é considerado perfeito quando o menino consegue encostar a cabeça bem próxima ao chão. Como os cipós não são elásticos e o comprimento da corda pode ser calculado errado é muito provável acontecer sérios acidentes ou até a morte



05.

Circuncisões de meninos(as)

Uma tribo no Quênia, chamada Okiek, realiza um ritual de passagem com adolescentes de 14 a 16 anos. Tanto meninos e meninas tem os órgão sexuais circuncidados. Em seguida eles ficam separados de adultos do sexo oposto de 4 a 24 semanas. Quem participa do ritual tem que se pintar com argila branca e carvão, a fim de parecer selvagem e a partir de então receber orientações dos anciãos. Para piorar a situação dos jovens a circuncisão é feita com uma lâmina velha e suja que pode causar infecções. Nas meninas a circuncisão é feita com a remoção do clitóris o que as deixam incapacitadas de sentir prazer sexual. Caso alguma moça se recuse a passar pelo ritual ficará isolada da tribo.



04.

Morada das almas

O ritual fúnebre dos índios Bororo pode levar até três meses, a demora é necessária para uma total putrefação da carne do defunto. Inicialmente o morto é posto em uma cova rasa no pátio da aldeia. Todo dia o corpo é regado a fim de acelerar a decomposição. Durante esse período são realizados muitos rituais com danças, comidas, bebidas e teatros. Ao completar os três meses o corpo é exumado e levado para um rio, onde os ossos são lavados para remover todo o resto de tecido podre. Os ossos limpos são colocados em cestas e levados para serem pintados. Essa mesma cesta, com os ossos já pintados, é levada ao rio e afundada na parte mais funda, sendo presa a um pau que fica com a ponta para fora do rio. O local é chamado de “morada das almas”.



03.

A menstruação demoníaca

Na Amazônia uma tribo chamada Tukuna realiza um ritual com meninas que começam a menstruar. Durante quatro a 12 semanas elas ficam isoladas em um local construído pela família já com esse propósito. O que se acredita é que a moça está no submundo e correndo perigo por conta de um demônio chamado Noo. No final do ritual outras pessoas utilizam máscaras e se tornam reencarnações do demônio. Para se proteger do mal a moça passa dois dias com o corpo pintado de preto. No terceiro dia a garota é levada por parentes para festividades e dançam até o amanhecer. A menina recebe uma lança com fogo para jogar no suposto demônio. Feito isso, ela está livre para se tornar uma mulher adulta.



02.

Espíritos marinhos

Uma tribo nigeriana, chamada de Iria, realiza um ritual com moças entre 14 e 16 anos que são levadas para lugares onde recebem alimentos pesados até engordar. Durante vários dias elas cantam canções. A tribo acredita que essas jovens podem ter ligações amorosas com espíritos aquáticos, por isso cantam músicas tradicionais da tribo antes de casar. É no último dia do rito que as meninas passam nas águas, com uma mulher mais experiente, a fim de levá-las para longe dos espíritos que podem pegar as moças novamente.



01.

Ritual de masculinidade

O ritual da tribo amazonense Satere-Mawe é muito doloroso. Para provar masculinidade os garotos da tribo tem que colocar as mãos dentro de uma luva cheia de formigas-bala. Só para se ter uma ideia da dor, a mordida dessa formiga é 20 vezes mais dolorida do que a de uma vespa. Durante 10 doloridos minutos os meninos tem que dançar com as mãos dentro da luva. A dor é tão forte que é possível acontecer convulsões, além disso, a dor pode durar 24 horas.



Fonte(s) Lista10