A criação e o fim do mundo — Maias

|
Anteriormente, foi iniciada a série sobre a criação e o fim do mundo em diversas culturas. No primeiro, falamos sobre os astecas, e agora a bola da vez são os Mais. Eles e o seu calendário, que por uma interpretação equívoca, provocaram uma histeria global sobre o fim do mundo em 2012. Vamos conferir!


A CRIAÇÃO
maias
 Na mitologia maia, Tepeu e Gucumatz (o Quetzalcoatl dos astecas) são referidos como os criadores, os fabricantes, e os antepassados. Eram dois dos primeiros seres a existir e se diz que foram tão sábios como antigos. Huracán, ou o ‘coração do céu’, também existiu e se lhe dá menos personificação. Ele atua mais como uma tempestade, da qual ele é o deus.
Tepeu e Gucumatz levam a cabo uma conferência e decidem que, para preservar sua herança, devem criar uma raça de seres que possam adorá-los. Huracán realiza o processo de criação enquanto que Tepeu e Gucumatz dirigem o processo. A Terra é criada, junto com os animais. O homem é criado primeiro de lama mas este se desfaz. Convocam a outros deuses e achem ao homem a partir da madeira, mas este não possui nenhuma alma. Finalmente o homem é criado a partir do milho por uma quantidade maior de deuses e seu trabalho é completo.


O FIM
maias
Apesar do que muitas pessoas pensam, O calendário maia não termina em 2012, como alguns afirmaram, e esse povo antigo nunca considerou tal ano como o tempo do fim do mundo, dizem arqueólogos. Mas 21 de dezembro de 2012, (um dia a mais ou a menos) foi, todavia, importante para os maias.
“É a época em que o maior ciclo do calendário maia – 1.872.000 dias ou 5.125,37 anos – acaba e um novo ciclo começa”, disse Anthony Aveni, especialista em povo maia e arqueoastrônomo da Universidade Colgate em Hamilton, Nova York.
Os maias registravam o tempo em uma escala que poucas culturas consideraram. Durante o apogeu do império, os maias inventaram a Grande Contagem – um comprido calendário circular que “transplantava as raízes da cultura maia desde a criação do mundo em si”, Aveni disse.
Durante o solstício de inverno de 2012, encerra-se a era atual do calendário da Grande Contagem, que começava no que os maias viam como o último período da criação do mundo: 11 de agosto de 3114 a.C. Os maias escreveram essa data, que precedeu sua civilização em milhares de anos, como o Dia Zero, ou 13.0.0.0.0.
Em dezembro de 2012, a longa era termina e o complicado calendário cíclico volta ao Dia Zero, iniciando outro grande ciclo.
“A ideia é que o tempo se renova, que o mundo se renova novamente – muitas vezes após um período de estresse – da mesma forma que renovamos o tempo no dia de Ano Novo ou mesmo na segunda-feira de manhã”. Assim, 21 de dezembro não é o final dos tempos para os maias e sim, o final de um ciclo e o inicio de um novo e glorioso ciclo, que ninguém sabe ao que se refere. Os maias não era uma cultura escatologica, eles não acreditavam que o mundo teria fim. Sua crença consistiam em ciclos infinitos que acabavam e recomeçavam. A menção a Nibiru surgiu porque em algumas escritas maias, havia a citação do décimo terceiro planeta ( os maias também foram grandes astrólogos, eles sabiam tudo de astronomia, para se ter ideia, sabiam com exatidão espantosa a movimentação dos corpos celestes, coisa que os europeus só descobriram no século 18 com ajuda de telescópios ). Em uma das suas profecias, eles se referem à chegada de um senhor dos céus, coincidindo com o encerramento de um ciclo numérico, que acreditam ser o final do ciclo que se encerra em 21 de dezembro de 2012, embora não haja a afirmação de qual ciclo numérico eles estariam fazendo referência. Também não é dito quem seria o “senhor dos céus” mas como os maias também citaram a existência do décimo terceiro planeta, alguém provavelmente ligou uma coisa a outra.


Fonte(s): ahduvido